quinta-feira, 4 de agosto de 2016

How to save a blog?

Olá!

Às vezes só tenho noção que o tempo está passando rápido demais quando me dou conta de quanto tempo faz desde a última vez que postei. Tá meio complicado manter uma assiduidade em qualquer lugar da internet porque, na realidade, estou muito necessitada de viver o presente. Cheguei de viagem há quase três semanas e foi uma correria monstra pra conseguir colocar as coisas no lugar. Acho que nem preciso dar muitos detalhes e dizer que não fiz nem metade das coisas que tinha pra fazer, né? Voltei pra casa com o meu irmão um pouco antes dos nossos pais e adivinhem pra quem sobrou matricular menino em escola, procurar curso de inglês pra ele, procurar um esporte para fazermos, fazer o supermercado, pagar as contas e todas essas coisas adultas demais? Isso mesmo, euzinha. Entretanto falando assim parece que não estou gostando, sendo que estou. Não tem nada mais exaustivo do que ficar no ócio e como o ócio é a única coisa que não estou vivendo no momento, posso dizer pra vocês que me sinto energizada. É um tipo de responsabilidade maravilhosa porque não tem meus pais perto mandando eu fazer isso ou aquilo, é simplesmente natural, sabem? (Amo meus pais, mas quem já morou sozinho sabe do que estou falando).

A internet tem me parecido MUITO chata nesse meio tempo. Sempre as mesmas coisas, as mesmas histórias, os mesmos tópicos. Sem falar na falência declarada da blogosfera, né? Com essa onda de textões, Medium, Trendr, revistas onlines e newsletter, não há mais espaço pra esse universo aqui. Desculpa se chateei alguém, mas é verdade, né, gente. E por causa disso não dá vontade de escrever, pra ser sincera. Ao mesmo tempo que sei que tem pessoas que acessam o blog, que comentam e tudo mais, falta algo. Sinto falta de vários blogs que eu gostava de ler. De ter essa barra lateral de favoritos sempre atualizada (!!!). Sinto falta da pessoalidade dos blogs e das trocas de comentários (sei que é possível na newsletter, mas ODEIO O FORMATO DAQUELE NEGÓCIO E TÔ COM 50 e-mails não lidos). Sinto falta da blogosfera toda, mas pelo que leio, vejo e converso por aí, ela não vai voltar. É tipo dar um tiro no escuro.

Sem contar que eu ando tendo uns tremeliques com essa coisa de compartilhar minha vida (em forma de texto e no facebook) na internet. É por isso que eu tive um grande bloqueio em 2014 que durou até 2016 e comecei a escrever em um blog anônimo, mas não vingou muito. Não sei o que fazer (como sempre). Como vocês estão lidando com essa situação toda? As questões são várias. Essa semana já tivemos a bomba que foi o fim declarado do So Contagious e, caramba, pra mim isso marcou o fim de uma era. Aquele blog era uma das melhores coisas dessa blogosfera e pra quem já acompanhava há Anna faz tempo, sabe quão bom ele era. E pessoal. E inteligente. E tudo que eu queria ser HAHAHA. 

Quais são os pensamentos de vocês? A blogosfera vai mesmo acabar? Ela deixou de ser legal? Estamos tentando sustentar uma instituição falida?

4 comentários:

  1. Amiga, acho que no fundo estamos sim tentando sustentar uma instituição, mas ela ainda não tá falida, eu diria, só em recuperação judicial. Eu acho que os blogs sofreram uma fragmentação: há muito lugar pra "compartilhar pensamentos", e, ao que parece, a plataforma e estilo "blog" já não comporta isso. Eu não vou sumir, quero voltar, mas eu estava me sentindo péssima e a ideia de compartilhar coisa pessoal por aí me deixava com medo, parecia que alguém tava me perseguindo.
    E Larie, eu tenho mais de 100 e-mails na caixa de entrada e talvez no dia de São Nunca eu leia eles. BONECO
    Beijo! ♥

    ResponderExcluir
  2. Não acho que vai acabar, o problema é que cada hora inventam uma moda e as pessoas vão seguindo. Tem blog que deixou de ser pessoal e se transformou numa forma de fazer publicidade e ganhar coisas. Tem a onda do textão, coisa que, particularmente, eu acho um saco. Tem as newsletters, mas olha, eu não trocaria um post num blog por uma newsletter - até assino algumas porque é a única forma de continuar lendo textos de pessoas que gosto, como você.

    Acho que outro problema para manter um blog é que as pessoas se importam muito se têm leitores, se recebem comentários, se o blog é acessado. O segredo de continuar blogando é levar tudo na diversão, escrever porque te faz bem, sem que aquilo vire uma obrigação. Expor a vida, às vezes acontece. Eu escrevo em blog desde os 13 anos (hoje estou com 28) e a questão de compartilhar sua vida e sair expondo tudo é uma questão de bom senso. A gente pode continuar escrevendo sobre coisas que nos interessam, mas sem a necessidade de sair contando as intimidades (já basta os perfis de Instagram).

    Enquanto eu me sentir bem escrevendo, quero continuar indo e voltando na blogosfera.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Larie!

    Que bom que você gostou do texto e do comentário. Eu tenho essa visão de que o blog deve ser algo divertido porque trabalhei durante um tempo numa redação de jornal. Uma das coisas que eu mais amava na vida era escrever, mas sem aquela pressão toda, sem o drama de escrever todos os dias - com vontade ou não - só para cumprir uma obrigação. Hoje em dia estou fora do jornalismo e sigo escrevendo somente por prazer, mesmo que muitos dos textos nem sejam lidos.

    Ah, e não se preocupe com o bloqueios... fazem parte!! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Amei o comentário da Larissa. Eu também estou TÃO farta de textão. O Medium eu já nem acesso, porque dá no mesmo que abrir meu facebook: textos sobre o mesmo assunto, com a mesma visão, que não vão acrescentar titica em qualquer debate.
    Eu adoro sua newsletter! Da faxina que fiz, também por causa dos textões que não lido mais, só sobrou a sua e mais umas duas. Adoro o quanto você não deixa esse espaço aqui morrer mesmo escrevendo por lá. É sempre uma brisa de ar fresco ler alguém escrevendo de forma pessoal, sobre seus dramas e pensamentos, sem querer doutrinar ninguém ou encher o saco com mais do mesmo. Acho que blogs desse tipo estão em extinção e o seu é um dos meus favoritos :)
    Não larga aqui não. Beijos!

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvida...