quinta-feira, 9 de junho de 2016

Hard task: lidar com pessoas

Essa semana eu vivi o inferno na Terra porque foi a última semana de aulas e fui atolada de provas, trabalhos e apresentações. Sempre digo que faço as coisas direito apenas quando estou sob pressão, mas hoje cheguei à conclusão que isso é tão estúpido e ridículo que vou (promessas de próximo período, rs, todos já sabemos no que dá) fazer a experiência de ME MANTER EM DIA COM O CACETE das minhas obrigações só pra provar que isso é uma merda que inventei na minha cabeça pra ficar mais acomodada. Peço desculpas desde já pelo aparecimento dos palavrões, mas está impossível me manifestar de qualquer outra forma.

A questão é que T O D O P E R Í O D O é a mesma história. Chego na reta final e é quase certo que vou ficar encarando a parede do meu quarto meio que chorando de desespero, meio que chorando de dor de estômago por causa da ansiedade. Desde 2012 é assim (passado um ano de pura ilusão que a universidade era um lugar mágico). Minha mãe já chegou a dizer que eu viro outra pessoa nessas épocas. Mais infeliz, mais impaciente feat. ranzinza e infelizmente não tenho argumentos pra rebater isso que ela disse, pois é a mais pura verdade.

Aqui em Portugal achei que seria diferente porque além de pegar três matérias e viver em outra cidade, na minha cabeça eu iria estudar nas viagens de trem (me recuso a chamar de comboio?) diárias. Risos. Isso só prova o quanto eu faço questão de não assumir o que eu sou: uma pessoa preguiçosa e distraída. Não estudei no trem, mas dei conta de algumas coisas nesse período. Em algum momento, entretanto, tudo desandou porque nessas três matérias que peguei tive que lidar com trabalhos em grupos e foi aí que o bicho pegou.

Trabalhos em grupo sempre me estressam. Sempre. Geralmente sou a pessoa que gosta de separar as tarefas e cobrar as coisas pra juntar no final e ter uma noção boa do que diabos estamos mandando pro professor. Nada disso aconteceu esse período salvo um trabalho que fiz com um grupo de meninas. Não sei o que aconteceu nem como, mas não tive comunicação NENHUMA com meus colegas de grupo nas outras duas disciplinas e isso me rendeu muito desespero de madrugada me dando conta que meus colegas analisaram as coisas e escreveram resultados incompletos E JÁ TINHAM ENVIADO A VERSÃO FINAL pro professor. Ou o pior caso que foi um trabalho que tínhamos que entregar hoje para o professor e o grupo simplesmente parou de responder. Assim, sem mais nem menos. E quando um deles respondeu foi pra dizer que já tinha se estressado demais com isso e que não ia fazer mais nada. ¯\_(ツ)_/¯




Passei a noite toda TENTANDO VER O QUE PODIA ENTREGAR PARA O PROFESSOR, mas cheguei a conclusão às 9 da manhã que eu não poderia fazer nada. Não tinha como porque os meninos não mandaram as partes que fizeram pra mim de modo que eu ia entregar só o que eu fiz e era muito pouco para a dimensão do projeto. Chorei hoje? Chorei sim e minha cabeça quase implodiu de tanto ódio por algo que era pra ser simples ter se tornado um caos desses. Falei com o professor do ocorrido e vou ter que criar agora um projeto sozinha. Fiquei um pouco aliviada de saber que ainda havia essa possibilidade, mas esse ódio vai ser difícil de passar 100% pois eu já poderia estar de férias, sabe? Poderia viajar pra ver meu namorado sem precisar me preocupar com isso, mas agora vou eu enfiar um objeto na mala pra poder projetar isso lá na casa do boy TUDO POR CAUSA DE BIRRA E FALTA DE COMUNICAÇÃO. A gente está na universidade, pelo amor de Deus, alguém avisa pra esse povo. 


Precisava desabafar sobre isso porque foi algo que me corroeu por dentro e me deixou mal mesmo. Nunca passei por uma raiva dessa na minha vida e olha que sempre rola um estresse com esses trabalhos, mas nunca de não conseguir entregar NADA pro professor quando ele sabe que tínhamos feito algo (porque era obrigatório mostrar o andamento do projeto toda aula). 


Como diria aquele ditado que não sei de onde veio: trust no one. 

3 comentários:

  1. Aconteceu muito parecido comigo na faculdade, inúmeras vezes. Aliás, às vezes acho que faculdade é muito mais para ensinar isso mesmo; que você vai tomar umas na cara, mesmo quando estiver fazendo tudo certo. Pelo menos eu me lembro mais dessas lições que das matérias :X
    Lembro de duas vezes específicas que mais me fizeram repensar essa história de viver em sociedade; uma foi muito parecida com a que você relatou, de um grupo de meninos que simplesmente optaram por não fazer nada e "esqueceram"de me avisar.
    A segunda vez, uma professora elogiou muito um trabalho que fiz com uma colega e a chamou para organizarmos (leia-se: fazer o trabalho todo e não ficar com crédito algum) uma apresentação que ela tinha num congresso. Minha amiga amou a ideia e disse que claro, faríamos com todo prazer. Só que eu estava atolada com outras matérias + primeiro emprego e JAMAIS poderia aceitar, naquele momento. Pois bem, minha amiga me COMUNICOU que iriamos fazer o trabalho da professora e ficou POSSESSA quando eu disse que não tinha tempo. Até hoje não entendi bem como uma pessoa fica brava por enfiar seu nome num projeto sem sua permissão, mas ok.
    No mais, eu super indico o texto da Paulistana na Califórnia: http://sp-california.blogspot.com/2016/06/vivendo-o-que-um-dia-sonhei.html. Estava pensando sobre isso e foi super o que eu precisava ler hoje, e acho que eu não conseguiria expressar esse sentimento melhor.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Larie! Em primeiro lugar obrigada pelo seu comentário no meu blog!
    Olha, nem me fale em trabalho em grupo... acho que você pode mudar de planeta, mas aquele gráfico mostra bem como funciona trabalhos em grupos, por isso eu literalmente FUJOOOOOO o quanto mais eu posso. Acho que durante meu tempo de faculdade nos EUA eu fiz uns 3 trabalhos em grupo e só e dou graças a Deus, porque olha... complicado! Sei que dá dor de cabeça, mas quando for assim pergunta para o professor se você pode fazer as coisas sozinhas...
    Lembrei de uma história recente da minha aula de matemática... o professor pediu pra gente sentar em grupo pra resolver um problema e eu sou das antigas sabe, escrevo a resolução passo a passo então demoro mais pra resolver... meus colegas são todos "olha professor sei fazer isso de cabeça ó!", mas na pressa sempre esquece um sinal, um detalhe e aí já viu né? Então, aí todo mundo terminou e começaram a dar o resultado, eu falei que o meu era diferente e tentei explicar como cheguei no resultado, NINGUÉM quis me ouvir eu fiquei p. da vida. Depois disso nunca mais ... o professor me deu um puxão de orelha estes dias dizendo pra eu comprar meus resultados com os vizinhos eu nem respondo nada... quando quis falar ninguém me ouviu... Contagem regressiva pras férias, boa viagem pra vocÊ!

    ResponderExcluir
  3. Isso acaba se tornando mais chato (pelo menos pra mim) quando você vê que na vida profissional vai ter que lidar com pessoas com todos os tipos de temperamento e simplesmente ter que dar um jeito... Isso acontece sempre que tenho trabalho na universidade: dividimos as tarefas, achamos que vai dar certo dessa vez, mas nos últimos dias até a entrega ninguém se pronuncia, não sabemos a quantas anda o trabalho, temos nossas próprias coisas pra resolver e ainda o estresse de ter que ficar perguntando pro coleguinha como estão as coisas e provavelmente no final ter que fazer você mesma pra garantir a nota... muito estressante mesmo, me sinto a anti-social kkkkkkk O tal do 'trust no one' parece até coisa de Game of Thrones!

    ResponderExcluir