sexta-feira, 4 de setembro de 2015

NERVOUSR (tcc feelings)

Sempre ouvi falar do famigerado TCC. Desde a época do colégio eu via alunos dos meus pais aparecendo aqui em casa desesperados falando dessa sigla medonha, mas eu nunca tinha dado uma atenção especial pra ela. Aliás, na época eu nem ligava para o estresse desses alunos. Falava para os meus pais que era uma coisa besta a pessoa se estressar tanto por uma coisa que ela tinha feito de cabo a rabo. Meus pais olharam um para o outro e deram um sorrisinho dizendo que eu estava certa por pensar assim. Mal sabia eu...

O tempo passou, entrei na universidade e esqueci desse tal de TCC. Fui enlouquecendo um passo de cada vez com as matérias de cálculo da universidade até que, de repente, eu estava no 7º período e consegui a oportunidade de ir para a Alemanha. Fui pra lá pra trabalhar no TCC e foi tudo ok. Fiz apresentações em inglês, surtei umas madrugadas, mas passou. Eu dizia pra mim que ninguém ali me conhecia e que logo logo iria embora, então não precisava provar nada a ninguém. Risos. Às vezes esqueço como minha cabeça funciona. Eu SEMPRE quero provar para as pessoas que eu sou capaz e por isso me importo com uma apresentação a ponto de ficar até as quatro da manhã treinando enquanto seu vizinho de quarto não ensaiou uma vez sequer. Recebi elogios, o chefe ficou feliz com o trabalho e meu supervisou falou que eu ~não precisava de boa sorte porque eu sempre parecia muito tranquila na hora de apresentar~. Depois de enlouquecer tremendo na cadeira até esperar chegar minha vez, tá tudo certo. 

Eu escrevendo a introdução
Daí cheguei no Brasil e resolvi deixar para entregar e apresentar meu TCC no próximo período. Eis que uma greve absurda acontece na minha universidade e COISAS ACONTECEM na minha vida e, tchanans, vou ter que apresentar tudo antes de dezembro. Eu já traduzi o meu report e fiz modificações? Comecei hoje e estou COMPLETAMENTE TRAVADA. Não escrevi a introdução direito no report que tive que entregar na Alemanha e agora meu estômago revira enquanto leio as coisas. Gente, eu tô surtando antes de saber SEQUER a data de apresentação do TCC. Não sou normal não. 

Estava discutindo com um amigo meu que eu queria acabar com isso logo, mas que não queria que o dia chegasse tão rápido e ele disse que iria me ver. Migos, se vocês gostam de mim, NÃO VÃO ME ASSISTIR. Se eu tivesse a opção que a apresentação fosse gravada e assistida por pessoas em outra sala, eu escolheria ela. Só de saber que tem gente julgando meus conhecimentos ali na frente, eu já quero roer todas as unhas da minha mão e me fingir de morta na cama. Odeio provações, sabe? Me sinto como um bicho prestes a ser abatido.

Esse inferno começou hoje, mas espero que eu passe por ele com uma nota ok. Não precisa nem ser 10. Não reprovando tá bom. Tô nervosona. Mandem energias aí. A imagem que tenho da minha pessoa na véspera desse dia é uma Larissa chorando HORRORES na cama em posição fetal sentindo que vai ser escrachada no dia seguinte. Na minha apresentação final na Alemanha foi mais ou menos assim e teve ATÉ PLAQUINHA DE ENGENHEIRA ALEMÃ ESCRITA "GO LARISSA" LEVANTADA NA HORA DA APRESENTAÇÃO. Quem me conhece sabe que eu piro muito e fácil, então vamos fazer uma corrente de oração aqui pra que dê tudo certo. 

Parece piada, mas eu sou assim mesmo.

2 comentários:

  1. Amiga, não sei muito o que te dizer nesse momento, mas tenho certeza que você vai tirar isso de letra e arrasar geral. Tô aqui te abraçando, torcendo muito pra dar tudo certo e, qualquer aflição, cê sabe que tem com quem contar.

    te amo <3

    ResponderExcluir
  2. No meu TCC da faculdade eu chorei horrores pra poder ser a única da sala que faria sozinha, eu dominava o assunto (modéstia a parte claro), eu era ~miga~ de dois dos três profs orientadores e FOI SÓ ENTRAR NA SALA PRA APRESENTAÇÃO QUE PASSEI MEIA HORA FALANDO COMO QUEM IA CHORAR E/OU DESMAIAR A QUALQUER MOMENTO. E ainda tive um convidado de surpresa. Então, vemk, eu te entendo. Eu preferia apresentar pras paredes. Eu queria que o dia passasse logo mas que eu não precisasse passar por isso (e fiquei sabendo a data da minha apresentação, sei lá, dois dias antes?). Foi horrível, mas foi maravilhouso. Então tô torcendo por você porque depois que a gente surta horrores, tudo parece fácil prozotro rs.

    Beijo! Sorte sorte sorte!

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...