quarta-feira, 13 de maio de 2015

Despencando da montanha-russa

Existe esse ditado "há males que vem para o bem" que sempre que passo por uma fase terrível, gosto de lembrar. Ele meio que conforta minhas paranoias de que tudo vai dar errado e me faz acreditar que é possível que algo bom saia disso tudo. Porque se não fosse isso, eu já estaria rolando com os cachorros há cerca de três meses todos os dias depois que chegasse da faculdade. 

O que andou acontecendo por aqui que fez todo mundo surtar um pouquinho é que resolveram trocar os postes da nossa rua. Ou seja, ficamos três dias com energia cortada durante boa parte do dia. Quando terminaram o serviço demos um glória a Deus de mãos dadas, mal sabendo o que vinha por esperar a gente uma semana depois: 25 lampadas da casa queimadas. Pois é. Até agora não entendi o que fizeram, mas que a corrente tava alta, tava. Prejuízo não foi pouco. Meu pai ligou para os caras ajeitarem o serviço meio boca deles e avisar que eles tinham queimado as lampadas de casa e quando mexeram uma segunda vez, não foram as lâmpadas que morreram, mas a televisão e o Xbox do meu irmão. Risos. Prejuízo eu disse antes?

Mas podia ser pior não é mesmo? Podia. E foi. Duas semanas depois, como se não bastassem os prejuízos todos, a chave de energia do meu quarto, do meu irmão e do nosso banheiro desligou e resolveu se rebelar contra nós (novamente por causa da corrente). Resultado? Estamos há uma semana sem energia nos nossos quartos e vivendo de banhos frios e acolhidos no quarto de papai e mamãe. É, tá fácil pra ninguém, né? 


Mas, olha, podia ser pior, né Larie? Aham. E está sendo. Aracaju anda alternando a temperatura do inferno 28ºC a 32ºC e aconteceu algo que só devia acontecer agora mesmo porque o que é um peido pra quem já está cagado mesmo? Uma ponte desabou no interior do estado e a tubulação que trazia água pra Aracaju quebrou e foram as água tudo. \o/ Meus amigos, estamos (sobre)vivendo de água puxada da piscina. Cês entendem o que isso quer dizer? MINHA. PELE. COÇA. PRA. CARALHO.

Ah, e não menos importante, ontem fui fazer visita técnica numa empresa de cimento e em menos de uma hora consegui escorregar numas britas, cair de bunda (ai meu coccix) e ralar meu braço. MENOS. DE. UMA. HORA. Tantas pessoas pra caírem. Tanta gente de all star. TANTA BRITA. Por que eu? Eu chorava e ria ao mesmo tempo. A professora desesperada, os engenheiros da empresa desesperados e eu perguntando por que a gravidade me adora tanto enquanto lágrimas desciam dos meus olhos.



Se sorri ou se chorei, só sei que...nada sei. Taquipariu, É muita má sorte. 

Agora cês me perguntam: e onde tá o bem que vem dos males? Bom, como não tem energia no meu quarto, estou sendo obrigada a exercer minhas atividades de estudo e procrastinação na varanda de cima e descobri que aqui faz vento e não precisa de ventilador. hehe. 10 anos morando nessa casa e só descobri isso ontem. Sem falar que ando conversando mais com mamãe porque ela trabalha de frente pra mim e cantamos uns pagodes juntas às 23:30h. Que vidão, ein?

Sem falar que ando aprendendo que tomar banho gelado (mesmo que com cloro) é a chave pro sucesso. Nunca tive tanta energia pra vencer depois desse banho (antes de entrar é uma morte horrível). Até pra dormir é bom. Com o calor absurdo que tá fazendo, dormir ~na fresquinha~ é a coisa mais deliciosa que tem. 

De resto, vou empurrando a vida com a barriga. Nada fora do normal.

5 comentários:

  1. Larie do céu, fiquei agoniada com tanta uruca junta! Não rola ~fazer mais barulho~ e conseguir ressarcimento dos aparelhos com a companhia elétrica? Porque gente, televisão, videogame, muito abuso! Mas que bom saber que você tá conseguindo tirar motivos para dar risada e aproveitar as adversidades, né? Às vezes é por isso mesmo que elas existem!
    Beijo beijo!

    ResponderExcluir
  2. Acho que eu piro sem energia no meu quarto. Passo tanto tempo precisada de energia lá que nem sei o que faria sem. Mas o que realmente me assusta é o banho gelado. Eu tenho um pavor tremendo. Não consigo tomar banho gelado nem no verão. O máximo que consigo é uma água morna. Mas gelado? Nunca. E só de imaginar isso nas temperaturas que eu ando passando (uns 10ºC/15ºC) eu já sinto um arrepio de desgosto.

    E miga, eu já caí em brita quando era pequena. Do balanço. Com as costas no chão. Sofri tanto com as costas raladas que não gosto nem de lembrar.

    Boa sorte e segue em frente, que uma hora tem que melhorar.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Amiga. Do. Céu. Eu reclamava do meu inferno astral mas olha, nunca vivi uma zica que chegasse perto da sua. Porque sério. É uma coisa empilhando em cima da outra e o que a gente pode fazer? Quase nada. Que bom que você ainda tá encontrando alguma coisa boa pra tirar de tudo isso, porque eu só pensaria em chorar e jogar uns pratos na parede de ódio, porque se eu não aguento ficar duas horas sem energia e não tomo banho gelado nem no verão, imagina ser obrigada a lidar com tudo isso por tanto tempo.

    Te amo e força amiga, muita força. Vai passar.

    <3

    ResponderExcluir
  4. Ai, Larie, é incrível que geralmente problemas odeiam ser solitários e trazem logo a família inteira. A parte boa é que depois que passa o bonde, a gente costuma ter uma pequena estiagem. E vai passar, logo.
    Enquanto isso, curte o banho frio, porque eu fiquei 2 semanas sem chuveiro quente e vi que realmente faz muito bem (pele e cabelos maravilhosos mandaram beijos). Mas infelizmente não é nada fácil manter o hábito quando o chuveiro quente está logo ali, funcionando e sem dar choque.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Nossa Larie, sofri aqui por você. Me lembrei de uma época que morava sozinha e demorei mil anos para consertar um problema no chuveiro... a cada banho frio eu chorava. Sério. (era inverno e eu acordava às 6 da manhã) Nunca consegui ver o lado bom do banho frio.

    http://naomemandeflores.com

    ResponderExcluir