sábado, 7 de fevereiro de 2015

Hoping I can write her a rhyme, that might stop the tick of time

Se não me engano, acho que foi a Analu que escreveu uma vez no blog dela que ela era uma pessoa mais de escutar músicas do que cds inteiros. Lembro que no momento que terminei de ler aquele texto, me senti abraçada, afinal, nunca fui dessas fãs que sabem cd de cabo a rabo (tá, agora eu tenho meus xodós, mas em geral não) e sempre senti que eu era tipo um alien quando meus amigos falavam sobre as coletâneas favoritas deles. Eu sempre sobrava nesse tipo de assunto e inclusive morria de vergonha de assumir que gostava de tal banda por causa de umas cinco músicas. "Mas você nem conhece as fases da banda x, como gosta de verdade?" era o tipo de frase que rondava minha cabeça e me fazia travar na hora de falar quando era adolescente.

Hoje, um pouco mais ~mulher de fases~, aprendi que sempre haverá uma banda com a qual encasquetaremos no matter what e, dito isso, nesse post vou falar um pouquinho dos The Kooks e do show que fui deles ontem.


Quando os Kooks lançaram o cd novo deles, torci o nariz várias vezes. Costumava repetir mentalmente que aquilo era diferente demais dos dois primeiros cds, Inside in/Inside Out e Konk, que amo tanto e mais distante ainda da vibe deprê do Junk of the heart que também demorei umas três ouvidas pra aceitar melhor. Sei lá, achei um ritmo completamente diferente do que me fazia amá-los, até que resolvi que não era obrigada a escutar cd que eu não gostava e voltei pros meus favoritos. 

Até que descobri, em meados de novembro do ano passado, que eles tocariam em fevereiro desse ano aqui em Hamburgo (há uma hora e meia da minha casa) e qual foi meu pensamento imediato? Preciso comprar o ingresso na pré-venda. Coloquei despertador e sticker em todo canto do meu quarto até que deixei os dias passarem e fui focando em outras coisas como viagem e trabalho e fui lembrar uma semana antes que o show ia acontecer hehe essa é minha cabeça muito boa. Fui no site, vi a foto da capa do "Listen" estampada no anúncio e torci o nariz. "Eles tão fazendo turnê do cd novo, putz" disse pra mim mesma. Pensei três vezes antes de comprar o ingresso, mas no final o "mas é minha banda favorita" foi o argumento que convenceu. Tentei comprar diversas vezes, mas nunca aceitavam o cartão e enquanto ele não era aceito, coloquei o Listen pra tocar em repeat no trabalho. 

 I say "please, stay with me"
You say you want it, but
You can't get it in
You got yourself a bad habit for it
Oh look at you
(todas possuída)

Resultado disso? Acabei gostando tanto de algumas músicas que toda vez que elas tocavam, a exemplo de Down, eu era possuída pelo ritmo ragatanga e ficava rebolando na cadeira enquanto meus colegas de sala me olhavam e riam. Entendi aquilo como um sinal de que eu deveria ir no show. E fui. Ontem deixei o trabalho mais cedo e me arrumei como um fucarão, um pouco nervosa e receosa porque ia comprar o ingresso na hora. Deu tudo certo no final. Fui sozinha e, apesar de achar que seria mil vezes melhor se tivesse minhas amigas lá, foi tudo lindo nível sair sem voz do local. 

Eles começaram o show com as músicas do cd novo e isso me deixou preocupada com a possibilidade de que eles não fossem tocar as antigas (tipo RHCP no RIR 2011), apesar de que eles estavam escolhendo as que eu mais gostava como Westside, Around Town e Down (nessa todo mundo dançou possuído haha) até que Luke mandou um Danke Schon pro pessoal e anunciou Tick of Time e, nossinhora, a platéia foi à loucura. Depois daí veio See the sun, Seaside, Naive, Sway, Ooh La e não parou mais, mesclando com as músicas novas do cd. Foi sensacional, de verdade. Só não deu muito certo quando o Luke foi dar uns gritinhos e desafinou terrivelmante (na gravação que fiz eu acabo rindo da desafinada haha), mas ninguém ligou, então tá tudo certo. Ele tem licença poética pra dar esses gritinhos errados. De resto foi lindo. O show, inclusive, é bem fiel ao que eles vendem no cd.

Só tenho a agradecer por essa oportunidade. Meu primeiro show na Europa e sozinha foi da minha banda favorita na vida. E cantei. E dancei. E fui infinita. <3

Obrigada, The Kooks, por fazerem parte da minha vida. Não imaginava ver um show de vocês tão cedo. Agora vou tentar convencer meus pais pra ir ver vocês de novo no Lolla com minha amiga. <3

3 comentários:

  1. Imagino como foi um momento especial para você. E acho muito bacana isso da gente encontrar nossa banda favorita. Comigo, aconteceu ano passado e meio que inesperadamente.
    Ainda aguardo o sonho de ir em show.
    Abraços.

    http://ninagaldina.tumblr.com/tagged/blog

    ResponderExcluir
  2. Amiga, eu já fiz parte do lado negro da força que julgava os outros por não conhecerem toda a discografia de uma banda x que eu idolatrava, mesmo quando a pessoa se dizia fã. Hoje posso ser taxada de poser em muitos casos, mas não ligo, porque esse povo que me respeite e não duvide do meu amor.

    Anyway, fiquei de boca aberta aqui que cê foi sozinha, pra comprar o ingresso na hora. ME DÁ UM POUCO DESSA CORAGEM, PFVR. Sério, rainha absoluta dos shows, por favor, me mostre o caminho.

    Amei seu post. É gostoso demais ler sobre música, sobre shows em especial, porque não é só música por música, mas tem toda uma experiência envolvida que deixa o relato ainda mais especial e eu fico babando. Isso me faz lembrar que eu ainda não escrevi sobre o show que fui do 30STM no ano passado, então talvez (e só talvez) se tenha me encorajado.

    beijos beijos sua maravilhosa <33

    ResponderExcluir
  3. EIKE INVEJA!
    Das duas vezes que o The Kooks veio a SP eu perdi, na primeira vez porque não conhecia a banda e na segunda por falta de dinheiro! Morro por um show deles, mas nem sabia que tinha CD novo! #shameonme!

    Shows na zoropa são tão diferentes dos daqui no Brasil, eu vi Kaiser Chiefs quando estava em Dublin e que diferença, mas se o show é bom a gente nem liga! Que bom que você se divertiu!

    um beijo

    ResponderExcluir