domingo, 7 de setembro de 2014

E que o medo de viver um dia se torne um grande amor

Quem é meu amigo sabe que na minha cabeça existe muita neura em relação a um monte de coisas. Sabe também que quase sempre elas estão erradas e não condizem com a realidade. Se vou em um médico, por exemplo, já espero o pior. Morro de véspera igual a peru de natal. Se preciso apresentar um seminário, já começo a gaguejar dez minutos antes achando que Deus e o mundo vão me julgar pela apresentação imperfeita. Se viajo de avião, acho que o mesmo vai cair porque as coisas não podem dar certo. O pessimismo ganhou a batalha aqui dentro de forma devastadora há 5 anos, me fazendo então ter medo de me jogar na vida e aproveitar o máximo dela.

Tenho uma amiga que um dia me disse que perdi meu brilho do ensino médio, afinal eu era alegre, contagiante, piadista e gostava de entusiasmar as pessoas a sair de casa. Resmunguei pra ela e disse que ainda era a mesma, mas a verdade é que eu não queria dar o braço a torcer. Na verdade, depois que fui chutada pelo primeiro cara que eu gostei e me envolvi, não consegui mais me soltar. A partir daquele dia comecei a achar que eu era sem graça, que eu não era boa o suficiente, que a vida era desagradável e tudo mais. Depois de um tempo, acabei incorporando isso na minha vida e virei caseira. Namorei um cara muito caseiro, meti as caras na literatura e me joguei nos deveres da faculdade. Há coisas muito positivas que saíram disso, mas eu vivia com aquele constante sentimento de que faltava algo na minha vida. Chorei noites e noites sem saber o motivo. Eu olhava para o teto, para aquela imensidão branca e perguntava se aquilo era o máximo que a vida podia me dar.

Não era.

Nesse caminho para a terceira semana longe de casa, pude ver que a vida é muito mais do que eu imaginava e que ela pode me dar o dobro de coisas boas quando comparadas as coisas ruins. O medo constante de colocar o pé pra fora de casa aos poucos está esvaindo. Lógico que eu ainda tenho neuras, mas elas estão muito mais leves que antes. Agora eu tenho a coragem de voltar para casa e pegar o ônibus sozinha. Não tenho mais medo de errar o caminho, de pisar firme no chão e seguir em frente, de questionar, de experimentar comidas exóticas,  de falar para o cara que eu queria ficar com ele, de beber e dormir no quarto do amigo, de dançar Shakira e perceber que os espanhóis estão me secando, de dividir a casa com homens, de me enfiar no trem e ir pra outra cidade conhecer, de perguntar como as coisas funcionam uma/duas/três vezes.



Não tenho mais medo.



E isso, meus caros, está sendo uma lição libertadora pra mim. Logo eu que havia criado uma bolha entre mim e o mundo. Logo eu que cansei de desabafar com as amigas sobre neuras estúpidas. Logo eu que tinha medo dessa grande coisa chamada vida.

Obrigada, Deus, pela graça concedida.


É lógico que eu ainda desconfio de coisas, que eu não gosto de andar no escuro sozinha, que eu acho bizarra certas aproximações, que eu não confio em todo mundo e que eu vivo sob aquela regra “seguro morreu de velho”, mas estou mil vezes mais relaxada que antes e isso vem sendo tão saudável que mesmo bebendo e fazendo estripulias culinárias, não tive UMA crise de gastrite sequer desde que cheguei aqui. Então o negócio só pode estar me fazendo muito bem. Ainda bem.

3 comentários:

  1. É engraçado ler sobre algumas das suas neuras e perceber que elas são muito semelhantes às minhas, embora eu seja tão (ok, talvez não tanto) mais nova. Também é legal saber que a vida é realmente o que eu espero que ela seja - divertida, leve, encantadora - quando a gente se arrisca e sai um pouquinho da nossa zona de conforto. Tento fazer isso de vez em quando, e esse seu post me fez enxergar que pode dar muito certo. Obrigada e divirta-se. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. To adorando ler seus relatos dessa experiência e perceber o quanto você tá ~crescendo~. Sempre acreditei que intercâmbio fazia isso com as pessoas, mas nunca tinha observado tão de perto, Larie! E que foto linda essa última! Curta muito - mesmo que naquela casa assustadora. Beijos!

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvida...