sábado, 5 de julho de 2014

Ontem não foi um dia feliz de copa

Nenhum dia pode ser bom quando já se começa acordando cedo pra fazer exame de sangue e, logo depois, precisando esperar a mãe resolver pepinos do trabalho enquanto você lacrimeja de raiva e sono dentro do carro. O resultado disso veio horas mais tarde quando cheguei em casa entusiasmada com a ideia de assistir o jogo da Alemanha, conseguindo, por fim, só ver o primeiro tempo e passando o segundo tempo inteiro num estado zumbi porque tentava dormir e o calor não deixava. Não foi fácil mesmo, naturalmente fui ficando mais estressada. Como se não bastasse as pragas que mandei pro Sol, quando tinha conseguido pegar no sono, minha mãe me ligou para pedir que eu levasse o modem 3g pra ela numa casa de praia lá na puta que pariu. Só faltei quebrar o celular no chão quando acabou a ligação. Pois é. O dia não tava bom.

Resolvi tomar banho e fui relaxando aos poucos ao pensar que depois de entregar o bendito modem, eu me juntaria com amigos e namorado pela primeira vez e extravasaria tudo durante o jogo do Brasil. A ideia me maravilhava muito, até porque é difícil conseguir juntar meus amigos e meu namorado (antissocial) de uma só vez e me animava mais ainda ser num dia de jogo do Brasil, onde todo mundo tem uma tendência de sentir as coisas visceralmente. Eu gosto dessas coisas.

Fui dirigindo feliz da vida e cantando Happy o caminho todo, até que chegamos (eu e o namorado) na casa da minha amiga e nos deparamos com os pais dela sentados no sofá e mais ninguém. Olhei pro meu namorado meio em pânico, meio decepcionada e ele só me deu aquela olhada aliviada por não ter tanta gente assim. Tentei falar com o grupo no whatsapp e ninguém respondeu. Boicotaram a copa comigo! Como raios eu poderia extravasar meus puta que pariu e filhos da puta na frente dos pais da minha amiga? Como raios eu ia fazer escândalo de felicidade ou tristeza na frente de gente tão séria?

Não fiz e por causa disso sinto que tive uma meia copa ao invés de uma copa inteira num dia que era pra ser tão emocionalmente especial.

Aconteceu que fizemos pipoca, conversamos amenidades e o jogo passou sem nenhuma emoção pra mim. Não fiquei agitada com o primeiro gol do Brasil e só me manifestei com um "UHUUUL" por causa do gol do David Luiz. Mas não teve grito de GOOOOOOOL, nem os gritos de "tira e bota" da minha mãe, nem os pulinhos, nem os abraços, nem os "AHHH CACETEEEE", nem nada. A gente só ria dos comentários da Sportv (melhores comentaristas) e da bunda hulk. Ficou por isso. O jogo inteiro ficou por isso e ai que dor no coração dizer que não me apaixonei ou fiquei doente de ansiedade como nos outros jogos. Tinha tudo pra ser, mas não foi. Tinha tudo pra me deixar agoniada com as bolas perdidas do Fred, mas não foi. Tinha tudo pra me deixar extremamente feliz nem terem colocado o Daniel Alves, mas não foi. Tinha tudo pra idolatrar o David Luiz até dez minutos depois do gol dele, mas não foi. Teve tudo pra me desesperar pra valer com o gol da Colômbia, mas não foi. Tinha tudo pra me preocupar com Neymar saindo de campo chorando, mas não foi porque não achei que fosse sério mesmo vendo a barbaridade em campo.

#ForçaNeymar
Por isso ontem não teve copa pra mim. E ficou ainda pior quando soube que o sonho daquele cara que brilhava com apenas vinte dois anos tinha sido tirado dele por brutalidade e covardia. Ontem foi o dia que não foi pra mim e só espero que isso que aconteceu em campo não se repita e que eu me cerce de gente que saiba foliar como eu porque nem na minha casa, assistindo sozinha, consigo ser tão sóbria num jogo como fui ontem. Torcerei por jogos e atmosferas melhores. 

A copa não é assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...