quarta-feira, 28 de maio de 2014

Amor filtrado

Às vezes me pego olhando a vida alheia e achando que a minha está parada demais, chata demais e até me sinto culpada por ficar na rede lendo livros enquanto outras pessoas postam fotos na praia, piscina, num churrasco ou saindo com o namorado. Quer dizer, eu saio com meu namorado, mas bem pouco. Às vezes esqueço que ele precisa voltar pra casa pra trabalhar e que as viagens de ônibus em pleno domingo de manhã não são divertidas. Então, como se não bastasse essa comparação de vida tensa, acabo achando que há algo errado com a gente.

Mas não há. Porque a gente tem amor. E vontade de ficar junto. E medo de conversar sobre o futuro porque ele é muito incerto pro nosso gosto.

Juntos temos as tardes de sexta deitados na cama dando beijo de esquimó e ele me fazendo cócegas simplesmente por passar as mãos nos meus joelhos. Temos as mãos entrelaçadas e os desabafos sobre como estamos com preguiça de estudar. E temos as conchinhas as quais ele me espera dormir pra depois sair e poder tocar violão. Se isso não é amor, não sei o que é. A diferença é que eu mostro muito pouco pra quem é de fora, pois uma das coisas que ele me ensinou é que não há necessidade de certificar pros outros que estamos sendo felizes.

E nisso também vem a constatação de que o amor também defeitos, assim como as vidas mostradas no instagram. A gente percebe que nenhum amor é cem por cento tranquilo ou passa fácil pelos anos. Não, alguma hora o trem desanda e só cabe a nós como indivíduos tentar consertar. Não é culpa do amor, é culpa do acúmulo de coisas que você precisava consertar e só fez postergar. E acho que aí é onde mora a beleza da coisa. Não é olhando pra fora e sim pra dentro que as coisas ficam melhores. Porque por mais que pareça que o relacionamento dos outros seja muito melhor que o seu, a verdade é que nenhum relacionamento é tão calmo quanto aparenta.

É isso.
bonitinhos

vida real




















(esse post ficou muito louco, não falei nada do que queria dizer hehehe)

5 comentários:

  1. Larie, acho que a frase "sobre nós, ninguém nunca vai saber de tudo" se encaixa muito bem aqui. Só o casal sabe pelo que passa e pelo que sente, e se o que sente for grande, mimimis pequenos são invalidos. :)
    Beijo <3

    ResponderExcluir
  2. Achei esse post tão lindo e sincero, tão bonitinho (e essas fotos? coisa mais linda vocês dois), que se encaixa naquele meu post sobre as coisas simples da vida.

    Eu também costumava pensar assim e acredito que é o pensamento geral da nação, sobre a grama do vizinho sempre ser mais verde. Só que a gente esquece de olhar pras coisas boas e únicas do nosso relacionamento (embora não esteja em nenhum atualmente), as coisas que o fazem ser só nosso, exclusivo e... Lindo. Com suas peculiaridades e tudo.

    Tava com saudade de visitar o blog, vou voltar com mais frequência. Obrigada por seu comentário, adorei a visita!

    Beijo.

    Ah, tô passando nos blogs que visitam o meu para avisar que troquei o nome do meu filho, haha! Queria voltar a usar "Olhos de Capitu", que é uma referência à um dos meus livros favoritos - Dom Casmurro -, mas alguém passou a usá-lo e fiquei imensamente frustrada com isso. Aproveitei para usar outra referência nacional, A Hora da Estrela, e adotei o nome "Macabéa Contemporânea", que atualmente, de fato, está fazendo mais sentido para o blog.

    http://macabea-contemporanea.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. A felicidade está onde rede social nenhuma presencia. Adorei o post ;) e preciso parar de acomodar também "/

    Beijos e felicidades ao casal :*

    ResponderExcluir
  4. Felicidades ao casal... que bonitin!!!

    ResponderExcluir

Impressões sobre "Um dia"

Depois de muita resistência da minha parte, consegui terminar de ler o livro "Um dia" do David Nicholls. Antes de tudo, gostari...