quinta-feira, 17 de abril de 2014

Nothing shocks me anymore

Existem dias na vida que as coisas simplesmente não dão certo nem com reza braba e só porque eu havia escrito ontem no meu caderninho que estava tendo good vibes por esses dias, o universo resolveu conspirar e mostrar que eu já estava abusando da minha sorte ao registrar esse pequeno fato. “A bruxa tá solta”, “isso é uma urucubaca” e “vamos nos benzer” só foram exemplos de frases que eu e minha mãe falamos no carro quando estávamos voltando pra casa hoje.

Pra início de conversa, saímos de casa apenas com o intuito de comprar um maiô pra ela e até aí tudo okay, jogo rápido, pensei. O problema é que esqueci que minha mãe não tem noção nenhuma de localização e rodamos quarteirões e mais quarteirões atrás de uma bendita loja num bairro que ela jurava de pé junto que tinha visto. O resultado disso é que acabamos caindo numa avenida em que o trânsito estava infernal e mirando para outro lado da cidade. Mas, enfim, achamos uma loja que apresentava maiôs bonitos nos manequins. Ao entrarmos, porém, olhei para as prateleiras e gelei dos pés a cabeça porque me deparei com, vejam só vocês, pintos!!!! Pintos de todos os tamanhos e formas!!! Olhei para o outro lado procurando por um chão, algo que pudesse entreter minha mãe e encontrei kama sutras, massageadores de clítores, bolinhas, cordinhas, vídeos, pole dance e achei que ali mesmo que ia passar dessa para uma melhor. Apoiei minha mão que parecia ter sido mergulhada numa piscina no ombro da minha mãe e berrei: MÃE, A GENTE TÁ NUM SEX SHOP. E comecei a rir freneticamente, numa mistura ousada de constrangimento e divertimento. Ela olhou pras prateleiras, riu e falou: VALHA-ME DEUS. Acho que Deus se revirou nos céus por ter sido invocado numa hora tão imprópria. Depois se meteu a olhar aquilo tudo e eu fiquei apenas petrificada ao lado a vendedora. Olhava pros vibradores, olhava pra minha mãe, olhava pros chicotes e olhava pra minha mãe, nesse ritmo mesmo e implorei pra ela pra sairmos dali. E saímos. (Graças a Deus que minha mãe é tranquila e com espírito jovem, mas É MÃE, NÉ, GENTE!!11)

Ao sairmos da loja, fomos para outra e ela conseguiu achar um maiô de seu agrado e eu já estava agradecendo aos céus pelo fato de que voltaríamos pra casa quando meu pai liga e diz nervoso: TÔ NO PREGO, VOU SER MULTADO, TRAZ A CHUPETA AGORAAAAAA!! Lá fomos nós atrás do meu pai no centro da cidade e demos voltas e mais voltas quando me toquei que eu sabia exatamente o lugar onde meu pai estava e falei: vira à esquerda. E ela: só isso? POR QUE NÃO FALOU ISSO ANTES????? Se perguntarem o porquê de eu não ter dito logo onde era, serei bem sincera: eu estava em outra dimensão, olhando pela janela. Chegamos no local do prego e minha mãe fez uns paranauês erradíssimos para usarmos a chupeta nos dois carros enquanto eu rezava pelo santo da SMTT não passar por ali. Ela então disse para eu descer do carro e ajudá-la a não atropelar ninguém em sua conversão errada e assim que dei dois passos fora do carro, caí num buraco e consequentemente caí no chão, ralando mãos e joelhos. Levantei como se nada tivesse acontecido, lógico, porém morrendo de dor no pé. Acabado esse evento, passamos rapidinho no shopping para comprarmos um presente e fomos embora pra casa aliviadas, dando graças a deus que poderíamos finalmente nos trancar em nossos quartos e ficar por ali mesmo.

Até que chegamos em casa e meu pai logo reparou que minha mãe estava com a roupa do avesso. Meu pai reparou, vejam bem. Ela gelou e ficou morta de vergonha se achando a maior louca do universo e pensando em todas as pessoas olhando pra ela nas lojas e ela nem se dando conta do que estava acontecendo. Logo depois resolveu dar um dane-se pra essa história toda e acendeu uns cinco incensos em casa (que ficou podre) pra espantar os maus espíritos.

Se aprendi alguma lição hoje? Poderia dizer várias, mas as principais foram: não entre em pânico com sua mãe no sex shop, olhe para o chão e sempre confira se sua roupa está no lado certo, saiba rir das pequenas desventuras em série que a vida vos propõe e reze para que a amanhã você tenha um dia menos turbulento.

Lema da minha vida

5 comentários:

  1. Sex shop com mamain, melhor história. Seu dia foi muito complicado, favor comer muito chocolate até domingo pra ver se compensa.
    E ó, diz pra sua mãe que uma vez fui pra academia, malhei e tudo e só depois a dona da academia foi me dizer que eu estava com a blusa do avesso. OU SEJA NÉ.
    Beijo <3

    ResponderExcluir
  2. Sabe que eu amo dias assim? No fim deles sempre rende boas risadas.
    Mas sex shop com mãe (!!) melhor história (2).
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. HAHAHAHAHAHAHAHAHA
    Gente, sex shop com a mãe é de longe uma das melhores histórias. Agora, de cair na rua e sair com roupa do avesso sou batizada, vocês vão sobreviver hahaha
    beijo!

    ResponderExcluir
  4. AMIGA, HELP!

    Tou aqui me contorcendo lendo seu post e lembrando do dia que entrei num sex shop com a minha mãe. Eu poderia ter escrito essa parte do seu post porque it was exactly the same. Sim, eu sou atrasadine pra mimos porém cá estou eu, pensando no dia ~merda~ que tive hoje e prestando atenção só nas suas últimas palavras pra não enlouquecer.

    E na foto de The O.C também, porque <3

    ResponderExcluir
  5. Se eu e minha mãe parássemos num sex shop aleatoriamente ela ia me fazer explicar pra ela pra que servia cada uma das coisas e depois me zoar pelo fato de eu saber. Tenho certeza! Mas ó: tô acostumada com o fato de que sair com mamãe é sempre uma aventura das grandes!
    Abraços!

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...