quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Retrospectiva literária 2013 + 12 livros para 2014

Eu já havia respondido esse meme no finalzinho do ano passado e pelas estatísticas do blogger, sei que várias pessoas já haviam lido ela. Porém, após ler as retrospectivas das minhas amigas, fiquei com vergonha da brevidade das minhas respostas e comecei a achar que fiz a coisa super mal feita. Com isso na cabeça, pensei, por que não refazê-la? Se o registro não for legal pra vocês, pelo menos servirá como uma boa base pra mim no futuro.

O meme foi criado pela Tary.


Lidos em 2013 (favoritos em negrito)
O morro dos ventos uivantes (Emily Brontë); The Catcher in the Rye (J. D. Salinger); Anna e o beijo francês (Stephanie Perkins); O teorema Katherine (John Green); O Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde); O bosque das ilusões perdida (Alain Fournier); Alguém especial (Ivan Martins); Admirável mundo novo (Aldous Huxley); Quem é você, Alasca? (John Green); Marina (Carlos Ruiz Záfon); A Seleção (Keira Cass); A Elite (Keira Cass); Nas margens do rio piedra eu sentei e chorei (Paulo Coelho); Para uma menina com uma flor (Vinícius de Moraes); Garota replay (Tammy Luciano); Cuca fundida (Woody Allen); Madame Bovary (Gustave Flaubert); Lola e o garoto da casa ao lado (Stephanie Perkins); Na natureza selvagem (Jon Krakauer); O oceano no fim do caminho (Neil Gaiman); A mulher do viajante do tempo (Audrey Niffenegger); Paper towns (John Green); Belo Desastre (Jamie Mcguire); A Felicidade conjugal/O Diabo (Liev Tolstoi); Alta Fidelidade (Nick Hornby); Meio intelectual, meio de esquerda (Antonio Prata); Let it Snow (Green, Johnson, Miracle)


O casal mais apaixonante
Não tem como não se apaixonar pelo casal Henry e Clare do livro A mulher do viajante do tempo porque a história é toda linda, com uma coisa que começa na infância e vai até o fim da vida dos dois. Eu estimei tanto esse casal durante toda a leitura e torcia tanto por eles e para que eles achassem uma solução pro problema depois de um certo acontecimento que não tem nem como não dar o Oscar pros dois. Também gostei muito do casal Cricket e Lola do livro Lola e o garoto da casa ao lado porque foi uma leitura muito gostosinha e que me deixou com o estômago cheio de borboletas toda vez que esses dois se encontravam.

Virei a noite lendo
Não virei a noite lendo nenhum livro em 2013 porque esse foi o ano dos três períodos num ano só e, né, a gente tem que ser comedido nesse ponto e poupar horinhas de sono. Mas houve um livro que eu devorei e passei o dia inteiro (nunca faço isso) só lendo. Foi o segundo livro da série A seleção, A Elite. Não tinha como, aconteceu tanta coisa tensa e amorzinho nesse livro que eu não sabia fazer mais nada da minha vida até que o livro tivesse acabado.

Chorei de soluçar
O único que me fez chorar foi A mulher do viajante do tempo. Quase todas as belas histórias de amor me deixam à flor da pele e esse com certeza foi deles. Porque, né, quase toda história assim vem seguida de algo pesado/irremediável.

Decepção do ano
O Retrato de Dorian Gray porque criei muitas expectativas em cima desse livro e não achei lá essas coisas todas. Talvez se eu houvesse lido em inglês, achasse mais interessante, mas não foi um caso. Quem sabe eu releia num futuro um pouco distante pra reaver minhas impressões.

Livro irrelevante do ano
Sem sombra de dúvidas foi o Garota Replay. Talvez esse livro seja divertido para garotas de 12/13 anos, mas é só um talvez. A história até que foi legalzinha, mas acho que se ele existisse como filme de sessão da tarde, já estaria suficiente, sabe? 

O pior livro de 2011 (vulgo, o mais chato)
Cuca Fundida do Woody Allen. Não tem como, ele força a barra pra ser bem humorado como nos filmes maravilhosos dele, mas não conseguiu tirar um sorrisinho sequer de mim. Muito ruim e já adianto que não pegarei outro livro desse homem. Sabe quando você começa um livro já querendo terminar? (no mal sentido) Então, esse foi o caso.

Abandonei
Histórias Extraordinárias do Edgar Allan Poe porque, minha nossa, que contos intermináveis são aqueles? Impossível ler mais de um conto e não ficar mau-humorado ou cansado ou querendo jogar o livro na parede. Tem uns tão parados e que tiram tanto o estímulo da gente de ler que passei um mês sem pegar em outro livro com medo de ler coisa parecida.

Morri de rir
Vou ser sincera e dizer que não morri de rir com nenhum livro, mas o que mais trouxe meus sorrisos à tona foi o Alta Fidelidade num sentido cômico da coisa. Nick Hornby é um gênio e se não fosse pelas minhas amigas me estimulando a continuar a leitura, acho que teria perdido um ótimo plot na vida. Como um livro que contém relacionamentos + música pop + Londres + um personagem cômico/trágico pode dar errado? Não tem como. Adorei!

Bate bola de personagens
Personagem masculino mais apaixonante: Maxon da série A Seleção. Como não amar? Como não sonhar com ele? Como não querer um pra você? hahaha
Personagem feminina que eu queria ser: America Singer da série A Seleção pelo jeito único dela de não passar impressões erradas sobre si mesma e por ser tão verdadeira com as pessoas ao redor. 
Personagem mais chato:  Colin do Teorema Katherine. Nossa, cara, se ele fosse real, eu manteria distância.
Personagem mais perturbador: Heathcliff d'O morro dos ventos uivantes. Tenso, apenas isso.
Personagem que mais me identifiquei: Anna de Anna e o Beijo Francês.

O melhor livro de 2013
Na natureza selvagem foi o meu queridinho do ano por se basear em fatos reais e me ajudar a entender a cabeça do Chris McCandless. Gostei muitíssimo das pesquisas do Jon Krakauer e espero ler outros relatos dele sobre pessoas em situações extremas. Esse foi o livro mais marcado do ano, mais sofrido, mais lindo e mais cheio de sentimento que eu li e por causa dele não me canso de repetir que o Chris era uma pessoa incrível e que eu queria muito ter conhecido ele. <3

PS: Também respondi a TAG: 12 livros para 2014.

11 comentários:

  1. Esse do Poe foi a mesma coisa comigo, demorei umas 3 semanas para terminar o livro.

    ResponderExcluir
  2. Ai, amiga, também achei Lola e Cricket uma delícia! Muito melhor que Anna e St. Clair, que me cansaram um tanto, se você quer saber, hahaha.
    Não sei porque tenho a maior preguiça de "O retrato de Dorian Grey". Nunca tive a menor vontade de ler. E também morro de preguiça só de pensar em ler um livro do Woody Allen, morro de sono só nos filmes! #Confissões
    Beijos! <3

    ResponderExcluir
  3. Ando cada dia com mais vontade de ler A Mulher do Viajante do Tempo, porque só leio coisas muito boas a respeito dele. Peguei birra da história porque ODIEI o filme de morte assim, mas acho que vou dar uma chance ao livro. Não é como se fosse a primeira vez que o cinema estraga uma história boa, né?

    Engraçado, andei relendo minhas retrospectivas literárias e no ano que li Alta Fidelidade pela primeira vez eu também coloquei ele como livro engraçado, porque realmente dei muita risada lendo. Adoro o senso de humor do Hornby. Acontece que em 2012 eu fui reler o livro e não é que eu fiquei bem deprimida lendo?? Não sei se foi uma coisa do momento, mas eu achei tudo TÃO triste! Por isso que gosto tanto de reler livros, eles sempre passam uma mensagem diferente dependendo do nosso momento.

    Preciso muito reler O Morro dos Ventos Uivantes porque lembro de zero coisas, e quero muito mesmo ler Na Natureza Selvagem!

    beijos Larie <3

    ResponderExcluir
  4. Amiga, Alta Fidelidade! A cada conversa nossa tenho mais vontade de ler, certeza que tá na lista das primeiras leituras pra 2014! E você foi ler Poe justamente começando pelo mais bizarro e chato de todos, normal. Também quis jogar esse livro pela janela, mas super recomendo O Coração Revelador, que acabei de começar a ler e já curti (embora não saiba se é o tipo de leitura que você ia gostar).

    Todo mundo fala tão bem de A mulher do viajante do tempo <3 Só assisti o filme e chorei feito uma criança. Prevejo o mesmo com o livro. Se você tivesse lido Paper Towns, certo que o posto de mais chato teria disputa acirrada entre Margo e Colin, mas super concordo com sua escolha caso não tenha lido. Aliás, OTK foi o John Green que menos gostei e foram frequentes as vezes em que tive vontade de fazer uma fogueira com o livro :/

    Na natureza selvagem e O morro dos ventos uivantes: já disse que amo você? <3

    Beijoca, Lala!

    ResponderExcluir
  5. Larie,

    Minha irmã tá lendo A Elite. Dei de presente pra ela semana passada porque ela tava alouca depois que leu A Seleção. Achou que lerei também, haha. Fiquei curiosa. E menina, Colin é o maior chato do universo mesmo. Unanimidade. Ah, sou louca pra ler A mulher do viajante do tempo e você triplicou minha vontade. Adorei sua retrô, beijones meu abor!

    ResponderExcluir
  6. Genteeee, amigaaaa "A Mulher do Viajante no Tempo" ♥. Eu fiquei meio cansada da leitura em alguns momentos mas não há dúvida no universo de que é um casal incrível! Sério, poucos casais são páreo para os dois! Eu também sofri muito com o final.
    Alta fidelidade eu não tive vontade de ler desde que vi a sinopse. Não sei o motivo, tem livro que eu pego birra antes mesmo de pegar pra ler! #alouca Mas depois da sua "indicação" deixei até de ter raiva do bichinho.
    Adoro a Anna (do Beijo Francês) e também detesto Colin. Gente, eu acho que ele é vencedor quase unânime de personagem mais chato pelas mafiosas.
    Tenho um sério problema com "Na Natureza Selvagem", amiga. Só assisti o filme, mas sei lá, não acho o Chris tão rei como todo mundo diz. Pode parecer idiota, mas acho tão... egoísta!

    Beijosss coração!

    ResponderExcluir
  7. CRICKET <3 Ai, meu Deus, como eu amo esse menino. É totalmente o personagem que poderia se materializar na minha frente, ajoelhado, com uma aliança na mão.


    Rafinha é apaixonada por A mulher do viajante do tempo também. Preciso ler esse livro. Por que tão caro, Brasil? =((((

    Ah, nem me atrevo a encarar a escrita do Woody Allen. Tenho aquela ideia de que ele é extremamente mais egocêntrico na escrita... Procede? Fico com os filmes maravilhosos e já tá de bom tamanho.

    Alta Fidelidade é muito legal mesmo, mas eu não lembro direito =P

    Lerei Na Natureza Selvagem no Charlie. Acho que esse ano ainda.

    Beijo, Lariezinha!

    ResponderExcluir
  8. Estamos em conflito aqui, Lariê rs Gostei bastante de o retrato de Dorian Grey (até reli!), li pela primeira vez quando tinha 14 anos - mas talvez a diferença é que eu não tinha ouvido muita coisa sobre o livro antes. E eu também gostei bastante dos contos do Poe, destaque para "Assassinatos na Rua Morgue" e "O Mistério de Marie Roget", mas concordo que são bem longos e alguns bem parados.

    Desde de você falou de "Na Natureza Selvagem" fiquei com vontade de ler. Vamos ver se consigo ainda esse ano!

    bjos.

    ResponderExcluir
  9. Larie, quase certeza de que comentei na retrospectiva antiga. Entõ vou ser bem breve. Cricket Bell maravilhoso só não foi eleito meu melhor do ano porque teve Mr. Darcy novamente. Mas o Cricket é inacreditável <3
    Terminei Felicidade Conjugal. Queria um mundo perfeito onde eu, você e May pudéssemos sentar na sala comendo pipoca e conversar sobre os livros do Chris e sobre como o Chris era incrível. Também admiro demais ele. Muito. Muito.
    Beijo <3

    ResponderExcluir
  10. Oii, adorei sua retrospectiva literária. Quando se ler uma boa quantidade de livros fica bom fazer porque tem variedade pra se escolher, não foi o meu caso já que só li 9 livros o ano passado, mesmo assim eu fiz a retrospectiva porque eu adoro! :D
    Eu não li o livro Na Natureza Selvagem mas já assisti ao filme e gostei bastante, quem sabe um dia também não leia o livro?
    Dos que você leu eu só li Marina, lindo né? Carlos Ruiz Zafón é divo *-*

    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. A sua lista é a que mais acrescentou para mim, porque a maior parte dos livros eu morro de vontade de ler, mas nada de ter iniciativa. Só conheço "O Morro dos Ventos Uivantes", "Admirável Mundo Novo" e "Meio Intelectual Meio de Esquerda".
    A pessoa com três períodos da faculdade em um ano leu mais do que eu. hahaha Vergonha na cara para quê, né Kamilla? hahaha

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...