sábado, 5 de janeiro de 2013

Não deu certo

Estou passando por um bloqueio criativo intenso, daqueles que a gente até passa a se questionar se escrever é mesmo nossa praia. Conversei com o namorado e ele disse que pode ser pelo fato de que o blog não esteja dando o retorno (leia-se comentários) do jeito que eu gostaria. E até pensei que fosse isso, mas estou chegando à conclusão que tem algo muito superior no meio.

Há cerca de um ano e uns pouquinhos, venho acompanhando blogs e colunas de jornais que simplesmente me fascinam porque seus escritores estão marcados pela simplicidade, a fluidez de seus textos e suas tiradas inquestionáveis, fazendo parecer que a arte da escrita é a coisa mais fácil do mundo. Resolvi, então, sair da vida de mero leitor-espectador e passei a escrever e vi que a coisa não era tão simples. Com o tempo, entendi que não se pode simplesmente sair escrevendo tudo que você pensa sem sair revisando os parágrafos e as ideias e que para escrever um texto decente, às vezes você sofre.

Vocês irão rir de mim ou até acharão que não valho nada como blogueira – o que pode até ser verdade –, mas confesso que já tentei copiar o jeito de elaborar os textos desses gênios. Só que o resultado foi muito diferente do que eu esperava, sabe? Nada aconteceu. N-a-d-a. Não saiu texto, nem título, nem tema algum que eu pudesse discorrer do jeito que cada um deles fazia. E isso me deixou frustrada demais, gente, demais. Depois de tentativas e tentativas é que me toquei que a coisa não ia sair de jeito nenhum.

O ápice foi quando, nessa semana, quis fazer um post jeito Anna Vitória de escrever e acabou que eu não soube nem por onde começar, nem aonde me inspirar. Tive algumas ideias relâmpago, é verdade, mas quando abria o Writer e via aquela página em branco com o cursor piscando, eu não conseguia passar de duas linhas. Obviamente acabei quebrando a cara e, com isso, fiquei frustrada a ponto de pensar em abandonar o blog, já que nada mais virava texto.

Não preciso dizer que logo percebi que essa era uma ideia infeliz e muito radical para se por em prática, né?

Então, numa vontade que me veio do nada, resolvi acessar minha conta antiga do blogger e ler meu antigo e finado blog Eletric boots, hoje fechado para todo mundo. E isso, meus caros, acabou salvando a existência deste blog, pois posso dizer que, basicamente, me redescobri por lá.

Os textos que eu achava tão fracos, na época, me deixaram com uma pontinha de orgulho. Foi ali que vi o amadurecimento das minhas ideias e que testemunhei minha capacidade de escrever textos bons. E ainda ali percebi aonde estava meu erro todo esse tempo: estava tentando ser quem eu não era. Isso nunca dá certo, todos sabem, mas eu apenas não havia percebido. Ao longo desse texto é que fui descobrindo que esse bloqueio veio justamente porque o jeito Anna Vitória de escrever é totalmente diferente do meu e que ao tentar seguir os parâmetros dela, obtive um resultado totalmente errado.

O bom disso tudo é que aprendi a lição e, de quebra, consegui fazer um post decente para começar o ano. Um viva às experiências da vida! Agora é bola pra frente!

9 comentários:

  1. Querida, além do blog que possuo hoje, já tive outro que durante muitas meses, quem sabe até mesmo anos, eu não recebi comentários. E nem por isso desisti. Sempre prensei que tinha melhorar o meu jeito de mostrar para as outras pessoas como eu penso, como é esse meu jeito pois, como você disse escrever não é uma tarefa fácil, colocar tudo que se passa da cabeça para o papel é uma tremenda luta, não sei, mas algo acontece e faz com o sentindo mude quando passamos para o papel, não sei por que, deve ser a busca por palavras certas. E acredite, demoramos para aprender como é o nosso jeito, eu até hoje e olha que já faz quase 5 cinco anos que estou nesse mundo de escrever/blogs, ainda estou tentando me adequar, mas ao meu jeito, e não ao dos outros.

    DÊ tempo a você mesma, ter esse bloqueio é normal!

    Espero que vc continue firme e forte nesse ano que se inicia!

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Ai Larie.. O problema é que a gente nunca se acha boa o suficiente! O estilo dos outros são lindos, mas os nossos também podem ser! Alguém com certeza nos acha "boa o suficiente" e tenta copiar nossa fórmula, que pode parecer tão simples. Vivo entrando em crise e tendo certeza de que escrever não é a minha praia. Mas se não for, que se dane! É o que eu gosto de fazer e eu sou insistente! ;)
    Beijos e bom 2013!

    ResponderExcluir
  3. Nem sempre os pensamentos se ordenam com as palavras é verdade.Ainda bem que descobriu a verdadeira essência da escrita,ser você mesmo.As palavras nos desvendam.Que em 2013 mais textos como esse,venham cheios de coisas boas para nos leitores.Amei sua confissão,não é comum achar de forma tão explicita um desabafo.Conte comigo,sempre que precisar.
    Amei o cantinho e estou seguindo,quando der de uma passadinha no meu blog,tem textos,crônicas,poesias...Adoraria ter sua opinião por lá.
    Beijos e sucesso :)
    http://escreve-r.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Como assim você quer escrever que nem os outros? Eu adoro o jeito que você escreve e, por favor, não invente de mudar isso. Adoro que você é muito simples com as palavras. Não precisa ficar usando palavras difíceis pra fazer um texto bonito. Eu adoro isso nos seus textos, além de que me identifico demais com eles.
    Mas acho que essas coisas são normais entre blogueiros. Eu, pelo menos, já passei e às vezes ainda passo por isso. Leio texto de autores maravilhosos e fico querendo imita-los. Não chega a ser plágio, eu acho, mas a gente meio que quer conseguir a proeza de nos expressar tão bem quanto autor tal o faz. Isso é normal, até onde eu sei. Mas, por favooooooooooooooor, não inventa de ficar querendo escrever que nem fulano ou ciclano. Seu jeito de escrever é muito especial :D

    Ah, mudando de assunto. Como foi de virada?

    ResponderExcluir
  5. Acho que quando se trata de coisas da gente, às vezes não damos o devido valor. Você escreve bem sim, de um jeito simples, fluído e eu gosto. Seu jeito de escrever não é igual ao da Jane Austen ou do John Green, mas isso não quer dizer que ele seja ruim. Ele é diferente e é isso que importa. Porque escrever não teria nenhum sentido se não viesse de lá de dentro da nossa alma. Então não tenta escrever como os outros, escreva como você, deixa as palavras fluírem e expressarem o que você é.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Acho que o mundo inteiro, quando entra no blog da Anninha, quer ser como ela. Mas te digo: não é porque ela é melhor que ninguém, mas porque ela já se descobriu. Acho que ela já nasceu sabendo quem era, basta voltar no início do blog para perceber isso. A maior parte de nós, reles mortais, por outro lado, temos que ir construindo a nossa identidade e muitas vezes sequer vamos descobrir quem somos de fato. Eu me identifico muito com o seu texto, Larissa, porque eu já fui assim e volto e meia e tenho as minhas recaídas. Mas isso, além de normal, é necessário. Não deixe de acreditar em você e na força da sua escrita. pode ter certeza que tem muita gente que acredita - como eu :) Se dedique e pode ter certeza que o retorno (nem sempre em forma de comentários, mas sempre dentro de você mesma) virá.
    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  7. Meu Deus, olha eu aqui! Fico feliz de ter sido reconhecida dessa forma, mas não queria te colocar em crise existencial, haha. Se te serve de consolo, passo por esses momentos com muita frequência. Vou ligar pra Deyse da próxima vez que entrar em pânico diante de uma página em branco! :)
    Penso um pouco diferente de você no que diz respeito a essa coisa de inspirações. Acho que a forma como a gente escreve tem muito da forma de escrever daqueles que a gente admira. Sabe aquela coisa de antropofagia? Acho que nossos textos são exatamente isso: a forma como expressamos tudo que vemos, lemos, ouvimos, a forma como isso se mistura e se processa dentro da gente. Consigo observar claramente em alguns posts antigos meus a influência do livro que lia no momento, por exemplo. Acho que é tudo uma questão de escrever mais, escrever sempre, e ir batendo todos esses ingredientes, porque uma hora sai.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Sabe vou até visitar a Anna Vitoria, pra ver se é bom mesmo o jeito que ela escreve. Sou sua nova leitora, já que você está nessa nova fase. Não precisa saber escrever, para escrever só precisa gostar de escrever.
    Lembre-se de Clarice Lispector que dizia: "NÃO SOU PROFISSIONAL. ESCREVO AMADORA, PORQUE OS AMADORES SE PERMITEM ERRAR". É isso mesmo que um blogueiro é: um amador, mas um amador bem resolvido e feliz.
    bom 2013.

    ResponderExcluir
  9. Não pense que você está sozinha nisso, Larie. Lendo os textos da própria Anna (sou fã) e de alguns blogueiros que acho sensacionais, já senti esse desânimo que você sentiu agora. Mas sabe o que eu acho, no fim das contas? (Principalmente no que concerne os outros, porque eu sou muito mais dura - e, quem sabe, sádica - comigo mesma.) Eu acho que em primeiro lugar vem a paixão, o gosto pela escrita. Depois vem a prática e, por último, vem o resultado do esforço - talvez não o reconhecimento, mas a qualidade, o refinamento. Como tudo na vida, para alguns sempre vai ser mais fácil que para outros, mas nós também temos a nossa qualidade.
    E posso dizer que, pelo que vi por aqui, você tem. Mesmo.
    Beijos.

    ResponderExcluir