terça-feira, 25 de dezembro de 2012

O ano do fim do mundo (parte 4)

Dia 4. O pior e o melhor dia do ano para você; Coisas que você tenha feito pela primeira vez neste ano; Algo que você tenha tentado fazer, mas não tenha conseguido, algo que você conseguiu e algo que você quase fez; A grande descoberta do seu ano; Uma pessoa que te fez morrer de vergonha e outra que te encheu de orgulho;

Juro que tentei mais que tudo pensar em algum dia péssimo que não fosse o dia que caí do ônibus para, pelo menos, escrever sobre algo diferente pra vocês, pois essa história já está mais que manjada. Mas como se diz naquele velho ditado “se não tem tu, vai tu mesmo”, fico com a história do acidente. Sofrer acidente é uma merda no presente e no futuro. É tanta coisa pra correr atrás sem que você possa correr (piada infame), tanta dor, tanto stress para todo mundo que está a sua volta que o conjunto de dias que estive debilitada – e sozinha, porque quando meus amigos me visitavam eu esquecia que tava de cama – foram os piores ever. Mas passou, gracias, agora estou bem e com um parafuso a mais (agora são sete).


O melhor dia do ano pra mim foi, de longe, um dia em que estava na casa de praia dos meus primos lá em Natal. Nesse dia, acordamos meio dia e meu TESOL tinha ido embora. Decidimos então ir para a praia num sol torrante e tomamos banho de mar até as três da tarde. Depois disso, voltamos para casa e ficamos conversando sobre zilhões de coisas aleatórias enquanto comíamos comidas deliciosas e assistíamos a primeira temporada de Prison Break. Quando a noite chegou, armamos toalhas na areia da praia e ficamos deitados admirando as estrelas (ponto altíssimo do dia) e conversando sobre aspectos físicos da vida. Foi um dia simples, mas com pessoas especiais e conversas de melhores amigos. Esse, certamente, é um dia no qual sinto uma baita falta.

Das coisas que fiz pela primeira vez, serei breve, pois já citei em algum-post-anterior-que-não-me-lembro: dirigi for the very first time e fiquei completamente assombrada com isso, rs, tirei três notas 10 no período passado, ou seja, felicidade mil e fui a um show de eletrobrega (Banda Uó). Algo que tentei, mas não consegui fazer foi subir minha MGP.

Minha grande descoberta do ano foi descobrir que sou capaz de ser uma aluna dedicada, uma filha que ajuda em casa e uma amiga menos afastada. O que, por sinal, só consegui descobrir no final desse ciclo de 2012…Mas nunca é tarde, certo?

Uma pessoa que tenha me feito morrer de vergonha foi meu queridíssimo namorado. Quando estávamos nos ajustando de novo como um casal, a gente tinha discutido sobre alguma coisa na faculdade e acabei ficando chateada. Ele me pediu desculpas um zilhão de vezes, mas, ainda assim, não consegui engoli-las por completo. Então, num ato completamente fora da lista de coisas previsíveis, ele parou um senhor que estava passando com flores (era um dia depois do dia das mulheres, creio eu) perto da passarela em que estávamos, e foi correndo comprar uma rosa pra mim. Depois voltou, se ajoelhou e me entregou a rosa. Nesse ato, fiquei totalmente sem graça e com as maçãs do rosto doloridas de tanta vergonha, pois um monte de gente ficou olhando para nós. E, olha, o negócio foi tão intenso que até hoje me envergonho por aquele dia (mas, ei, foi uma vergonha boa, senti-me, acima de tudo, amada).


Por fim, a pessoa que me encheu de orgulho esse ano foi meu irmãozinho de nove anos que, como já contei, conseguiu recuperar todas as matérias do colégio quando eu o assumi como professora particular. Tive tanto orgulho dele por ter se empenhado, quanto de mim que arranjei paciência não sei de onde para ensinar o guri.

Até o último dia do meme, pessoal!

4 comentários:

  1. Olha, não sei o que pensaria que a história das rosas fosse comigo, mas assim, lendo de madrugada e sem um namorado pra associar um constrangimento equivalente, digo que acho que acharia doce, acima de tudo. E olha que nem gosto de rosas! Repense isso, moça! hahaha
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não deixei claro no post: não achei uma coisa ruim. Foi uma vergonha boa, como costumo dizer. Eu me senti, acima de tudo, amada sim. :) - corrigirei isso no post!
      beijos

      Excluir
  2. Sofrer acidentes é péssimo, e comigo eles acontecem sempre, porque sou desastrada ao extremo!! Então faz parte da minha rotina me acidentar D:
    O seu melhor dia se parece com o meu, tem um ar de simplicidade mas tem muito valor... Eu passei meu melhor dia com meus primos também, conversando, vendo o nascer do sol...
    Adorei o post e o meme!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Nunca sofri um acidente, mas imagino a loucura que deve ser! Ainda bem que você tem amigos e que ficou bem! Feliz ano novo e tudo de bom pra você!

    ResponderExcluir