domingo, 16 de dezembro de 2012

O ano do fim do mundo (parte 3)

Passei  a semana toda pensando em como responderia os tópicos da terceira parte do meme e confesso que foi mais difícil que tudo. Esse é o dia em que a gente escolhe uma única coisa para dar cinco estrelas e, gente, isso é muito difícil. Limitar é trash pra mim, mas vamos lá. Se não der certo, ao menos eu tentei.

Dia 3. Uma pessoa que você conheceu (ou conheceu melhor) nesse ano e que tornou-se essencial na sua vida; Um lugar que você foi várias vezes e que nunca vai deixar de ter vontade de ir; Uma banda que surgiu na sua vida esse ano e a música que você mais gosta dela; Uma coisa que você sempre quis ter/fazer e conseguiu neste ano; Um lugar para o qual você quis ir quando sua vida pareceu destruída.

Pessoa essencial na vida, essa é difícil. Existem pessoas e pessoas na minha vida e considerar uma como essencial é uma responsabilidade muito grande para o meu coraçãozinho. Acho que isso é tão grande para ser mesurado que só sinto plena confiança mesmo nos meus pais, meu irmãozinho e na minha-melhor-amiga-que-eu-evito-quase-sempre. É estranho, né? Mas essa é a verdade. Se vocês me perguntarem “e o namorado?”, serei direta e direi que ele não essencial, mas sim especial. É diferente. Podem achar esquisito o que for, mas para considerar uma pessoa essencial na minha vida, bem, tenho que ter anos de convivência, de segredos trocados, de confiança depositada e tudo mais. Eu o amo com tudo o que posso oferecer, mas chamar de essencial é uma palavra forte demais. Agora, se mudarmos o foco para especial, com certeza ele ganharia medalha de ouro – por motivos óbvios - e um amigo meu ganharia a medalha de prata pela assistência que ele vem me dando psicologicamente desde o acidente.

Um lugar que fui várias vezes, hm, diria que as casas de veraneio dos meus tios lá em Natal/Tibau-RN seriam as melhores opções de todas. A praia “Cotovelo” possui o melhor banho de mar que já tomei em toda minha vida, o que faz com que eu vire uma criança de novo na água e volte incrivelmente preta para casa. Amazing. Já a de Tibau curto porque lá posso deitar na rede, ler até morrer e apreciar uma vista invejável no topo de um morro. Quase todos os anos vou pra lá e sempre quero voltar.

Já a banda do ano... Ixi, essa pergunta é dificílima (Mayra, você pegou pesado no dia 3!), até porque conheci um monte de banda incrível nesse ano, mas acho que a que merece um troféu disparado é a “Nada Surf” que conheci através do blog Miniature Disasters e que alguns meses depois descobri ter várias músicas espalhadas nos episódios de The O.C. A banda tem as melodias e as letras mais relaxantes e mais tocantes que já ouvi nesse ano. A música que mais gosto é a mais manjada deles, creio eu, e deixarei aqui para vocês deliciarem seus ouvidinhos.


Da coisa que eu sempre quis fazer e realizei esse ano, posso dizer que foi a minha então sonhada carteira de motorista. Mas tenho algo a confessar a vocês, motoristas de primeira viagem: auto-escola é uma coisa, vida real é outra completamente diferente. Agora só preciso superar o medo e ganhar mais confiança para dirigir sem achar que vou bater o carro a todo instante. Estou trabalhando nisso.

E por último, um lugar para fugir… Com certeza seria para a casa de uma das minhas melhores amigas lá em Brasília. Aquela doida sabe como colocar um sorriso no meu rosto facinho facinho, então creio que seria de longe o melhor lugar para ir quando meu coração esfarelasse.

---
Esse post ficou incrivelmente bagunçado e sem coesão, perdoem-me, mas é que tive que faze-lo correndo antes de dormir porque senão só conseguiria responder o meme na semana que vem e ia atrasar tudo.
Espero que tenham curtido a nova cara do blog tanto quanto eu! :)

Um comentário:

  1. NADA SURF! Também me apaixonei pela banda e a culpada também foi a Ruvis Costumo dizer que ela é minha inspiração musical, porque só sabe ouvir música boa. É incrível.
    Super entendo você não usar a palavra "essencial" sem antes pensar muito. Acho que essa sinceridade torna o relacionamento ainda mais bonito. É saber viver sem sufocar o outro, mas amando ainda mais.
    Beijo!

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...