segunda-feira, 29 de outubro de 2012

A culpa é das visitas

De uns tempos pra cá percebi que estou me tornando um ser MUITO antissocial e que essa experiência está sendo estranha. Às vezes sinto como se estivesse perdendo minha identidade ou algo do tipo, pois sempre fui taxada como um ser fácil de conversar, mas cheguei à conclusão de que isso é resultado de uma observação diária do mundo que me cerca: existem pessoas, muitas pessoas, incrivelmente chatas e estressantes espalhadas pelo nosso planetinha.

Nunca fui uma pessoa pegajosa – por Deus, como corro delas! -, mas sempre dei a sorte de ter uma por perto since I was a child. Eu nunca havia tido um momento de plena satisfação de estar sozinha na vida (não estou falando de estar solteira), com exceção de agora que basicamente me excluí da minha vida social. E estava feliz, bem feliz, tendo o poder de tomar a decisão se eu iria sair ou não com meus amigos ou o namorado ou ficar na paz serena da minha casa, até que as visitas da minha mãe chegaram. 

Como ninguém sabe, acho que vale à pena dizer que minha casa é praticamente um hotel dos amigos da minha mãe e que é bastante difícil passar um feriado sem ter algum corpo estranho hospedado aqui em casa. Sinto como se meu território estivesse sendo invadido, mas costumo ser gentil e feliz, trocar umas três palavrinhas e depois tocar minha vida como se aquele povo não estivesse ali (mentira, não posso andar de pijama na minha própria casa #drama). A sorte é que eles geralmente passam três dias e vão embora. Porém, dessa vez minha mãe fez um brinks maléfico contra a serenidade da minha casa.

A questão é que minha mãe convidou minha tia e uma mulher com quem ela morou na época da faculdade pra passarem UM MÊS aqui. Você pode se perguntar “ué, mas uma não é sua tia?”, mas irei dizer sinceramente isso não é desculpa. Essa minha tia é um ser chato demais, fato. Ninguém da família aguenta a pobre, mas é o que ela é. Ela tem manias enormemente irritantes como: chupar os dentes (O DIA INTEIRO), não esperar o povo pra almoçar, comer parecendo uma criança (COM A MÃO, eu brigo com meu irmão de nove anos TODO SANTO DIA por causa disso e ele não o faz na minha frente), seguir as pessoas na casa, entrar no meu quarto e ficar falando SOZINHA enquanto estou estudando, beber praticamente TODO o café, falar mal da outra hóspede todo dia (as mesmas reclamações) e por aí vai. Eu simplesmente não consigo conviver com um ser desses e estou me sentindo mal por falar isso porque sei o quanto ela gosta de mim, mas não dá, gente, não dá.

 Já a amiga de minha mãe é outro caso sério, mas essa eu tentei relevar ao máximo porque ela tem retardamento parcial (mas é pouco, a velha sabe/lembra de TUDO). As coisas que me irritam vindo dela são que ela arrota muito alto enquanto está comendo (é nojento, sério) e que fica fazendo mil perguntas o tempo todo (o que eu não gosto quando se trata de pessoas que não conheço). É estressante demais, minha paciência foi pro pinico com essas duas, sério. 

Agora estou rezando para que quarta chegue logo para elas se mandarem daqui e para que não haja visitas no feriado dessa semana porque quero fazer as coisas sem me preocupar com o que os outros vão achar e, principalmente, quero tomar café da manhã sem precisar responder um interrogatório que não o dos meus pais.

2 comentários:

  1. Eu bem que gostaria de ter a capacidade de conversar sobre tudo com todos, mas não dá. Eu sou chata. Eu vejo problema em todo mundo, e por isso sempre acabo ficando sozinha. Guria, até no meu aniversário eu me tranquei no meu quarto porque não queria olhar na cara dos convidados...
    Sendo assim, as visitas que normalmente são sempre as mesmas, já sabem do meu jeito, nem chegam a querer conversar. Uma delícia.
    Mas é, visitas são estressantes, nos fazem sair da nossa rotina. E é sempre culpa da mãe, que chama as visitas. Eita.

    ResponderExcluir
  2. Odeio quando visitas, principalmente de parentes e amigos da minha irmã, aparecem aqui. Ficam enxendo o saco dos meus animais de estimação, falando alto, meu pávil é curtinho

    @littlepistols
    http://mustachesandcats.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...