sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Agonia

Estou aqui arranjando mil e uma coisa para fazer. Me transporto para a côrte do Rei Artur com todos os seus problemas religiosos e amores impossíveis criado pela Marion Zimmer Bradley. Abro o computador tantas e tantas vezes para ver se há algo interessante que possa consumir meu tempo. Já deixei o facebook aberto por tanto tempo, aliás, que sinto-me irritada apenas de ver o ícone do lado do link. Já assisti a três episódios da segunda temporada de Sex and The City e agora só me restam dois para acabá-la, sendo que a terceira ainda está baixando. Já tentei escrever sobre um monte de assuntos diferentes, mas isso não me liberta a mente. Já tomei um banho demorado, dancei ao som do Foster the People, mas nada, nada me faz colocar a cabeça de volta no lugar. Estou constantemente olhando o celular, esperando você retornar aquelas ligações que você não quis atender ontem. 

Estou louca e desolada. Ninguém, além de você, irá conseguir tirar esse peso de cima de mim. Poxa, entra no facebook, fala um pouquinho comigo. Já deixei mais do que claro que estou sentindo a sua falta e mesmo assim...Nada. Você não me dá um feedback e, com isso, já pensei que pode ter acontecido um monte de merda com você. E eu choro. Choro muito porque tenho medo de que algo realmente tenha te acontecido ou com medo de você estar me rejeitando. E eu não tenho medo de dizer isso. Na verdade, meu orgulho foi pro lixo junto com alguns cabelos que caíram. 

Volte pra mim! E me acalme, por favor...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Impressões sobre "Um dia"

Depois de muita resistência da minha parte, consegui terminar de ler o livro "Um dia" do David Nicholls. Antes de tudo, gostari...