terça-feira, 7 de agosto de 2012

Acumuladores

Então, minha gente, voltemos à programação normal do blog e deixemos o mimimi dos últimos posts para lá. Deve ser muito chato para vocês ficarem lendo minhas crises existenciais - tudo bem que criei o blog para desabafar, MÃS - e me ouvindo dizer que minha vida não é boa. Puta que pariu - perdoem-me -, minha vida é maravilhosa. E o mês de agosto é o meu mês (vejam a descrição do Quem mesmo do blog e saberão), então vou deixar de reclamar de barriga cheia, flws.

Hoje quero colocar um assunto importantíssimo em pauta: lixo acumulado no quarto. Não necessariamente lixo, mas coisas altamente dispensáveis que você não consegue se desfazer por pura e simples preguiça de pensar no que vale a pena ou não. Pois é, eu tenho essa preguiça. Muita. E não é aquela preguiça boa do Charlie Brown não, é a preguiça do Ultraje a Rigor mesmo. Dá pra perceber que o negócio é sério? Pois irei relatar um pequeno fato prolongado da minha vida. 

Todo ano minha mãe gosta de fazer uma limpeza nos guarda-roupas para fazermos doação. É simples: vai lá, tira roupa por roupa e escolhe o que não te serve ou o que você já "aposentou". Só que desde que completei idade o suficiente para escolher o que fica ou não fica (leia-se treze anos), eu fiz, no máximo, quatro faxinas dessa. Veja você, isso quer dizer que tem roupa minha desde os quinze anos no guarda roupa, sendo que farei dezenove daqui a dez dias. Gente, a situação é crítica. Minhas roupas estão todas amassadas no armário e hoje - só hoje - resolvi que estava na hora de colocar a mão na massa e, ao invés de ir ao armário, vim escrever um texto sobre isso. No abstrato sempre fica mais legal, né. Pois é. 

Mas essa coisa de colecionadora de antiguidades (aham, só que não) não fica só na parte das roupas. Tudo no meu quarto é acumulado. Desde bolsas até papeis da faculdade. Minha mesa estava um lixo e não tinha nem espaço para colocar o notebook (!!!). Só que hoje, como acordei com uma sensação de ambiente pesado no meu quarto, limpei tudo. Agora tem uma pilha enorme de papel amassado no canto do quarto. Me arrependo de não ter tirado uma foto do antes e do depois para comparar. A progressão é linda de se ver. Estou aqui pensando com meus botões o que fazer com as caixas e roupas amontoadas na minha pequena poltrona que NUNCA serviu para eu me sentar, só para jogar coisa em cima. 

do We Heart it

Como vocês podem ver (ler), tá trash o negócio aqui, gente. Mas hoje dou um fim nessas pequenas misérias que faz meu quarto parecer o lixão da novela Avenida Brasil. Desejem-me sorte!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...