domingo, 22 de julho de 2012

Parece auto-ajuda



Desde pequena, antes de dormir, eu tenho o costume de inventar histórias que não passo para o papel e apenas uma delas virou alguma coisa e acabou caindo aqui no blog. Fiquei feliz de ver que minha loucura foi bem recebida por vocês, queridos leitores, e pode ser que eu até escreva outro conto, mas isso é só um talvez. Ultimamente tenho pensado na minha vida e não apenas em mundos perfeitos, onde as coisas são bonitas e eu e minhas personagens temos tudo o que queremos. Isto não existe. A vida não é mansa, tampouco feita apenas de coisas bonitas. Aqui a gente tem que ter sempre um plano ou dois para as coisas darem certo. Tem que largar o papel algumas vezes e correr atrás dos sonhos, tem que pensar nas pessoas que nos cercam e aceitar seus "gênios ruins" de vez em quando, tem que cuidar da vida que a gente tem, não a dos outros. 

Aqui é tudo mais complicado, cansativo e, às vezes, até mesmo desestimulante, mas é o que a gente tem. A única coisa que realmente nos pertence é essa vida de agora e a gente tem que investir nela enquanto há tempo. Tudo que eu estou falando aqui é fato, todo mundo sabe, mas eu só comecei a pensar nisso quando saí da minha bolha de fantasia. As pessoas precisam sair de suas bolhas pra entender o mundo de verdade, sabe? E acho que aprendi isso a partir dos livros e dos conselhos do namorado. A zona de conforto, por incrível que pareça, não me faz bem. Me aliena completamente das coisas e pessoas ao me redor. Ontem, para vocês terem noção, após três anos de convívio, me dei ao luxo de conversar com o marido de uma ex-professora minha e descobri um mundo de cultura dentro de uma pessoa só, fiquei impressionada.


A gente tem que dar a vez ao mundo lá fora. Estou adorando essa experiência, de verdade. Acho que não volto tão cedo para minha bolha, onde eu controlo tudo. O mais interessante mesmo é vencer as dificuldades com ajuda dos outros e ver que você não está sozinho no mundo e que o mundo é mesmo cheio de surpresas.

5 comentários:

  1. antes de mais nada: Lari amada, eu amo Calvin. De coração! Isso dito, sei como é que é se trancar na inspiração, acho uma experiência das mais maravilhosas e agora que voltei do Rio to cheia dela na cabeça e na alma.

    aproveite o mundo fora da bolha... beijoca

    ResponderExcluir
  2. Já vivi dentro de várias bolhas, e o pior das bolhas é que vc nunca sabe que está dentro de uma e quando vc descobre já é tarde demais, já se acostumou com a rotina, já se acostumou com o cheiro e com as músicas. Bom mesmo é encontrar anjos que nos mostram as saídas das bolhas, é melhor sensação que chamamos de Liberdade. Ah Liberdade, eu te amo. rs
    adorei esse texto.

    ResponderExcluir
  3. Olá, parabéns pelo seu blog!
    se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  4. Todo mundo tem que passar por essa fase de aprender que sair da bolha é o melhor caminho! Não que seja definitivo. A gente consegue voltar pra bolha quando quer, mas geralmente aprende de vez que não é o ideal.. Postergar essa saída só faz ficar mais difícil!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  5. Saí da minha zona de conforto faz um tempinho.
    Não foi fácil. O mundo me assustava, hoje faço cara feia, e mostro que é que manda.

    ResponderExcluir