quarta-feira, 4 de julho de 2012

Das coisas que dão certo

Posso estar sendo precipitada ao falar isso, mas sinto que as coisas estão se ajeitando de um jeito ou de outro. Estou conseguindo estudar, fazer meu seminário, ler os livros que estavam parados, interagir mais com as pessoas de casa, escrever com mais frequência (e gostar do que escrevi, o que é raro), descobrir blogs inspiradores e progredir muito bem no meu relacionamento. Só não consegui parar de stalkear uma pessoa (haters gonna hate) e emagrecer, mas o resto? Supimpa e é disso que venho falar hoje: coisas boas e que dão certo.

A melhor coisa de se sentir bem é a sensação de paz. É aquele momento que você começa a aceitar seus erros e se sente mais normal, sem sentir que deve algo ao mundo. Acho que grande parte da frustração que senti há um tempo foi por causa dessa necessidade que criei de mostrar às pessoas que eu era diferente e original e, no final, tudo o que conseguia levar era três likes no facebook. Deprimente, eu sei. O tempo passou e, de repente, resolvi que não iria postar mais nada para os outros e sim guardar as coisas para mim. De um jeito ou de outro, nesse ato, consegui me sentir melhor e original ao meu modo, sem esperar a aprovação alheia. Aliás, acho que esse é o conceito de originalidade, né? Acho que é só o give sem o take.

Os livros e blogs que tenho lido também me ajudaram nessa busca de reconhecimento próprio. Descobri na leitura uma grande amiga, onde posso criar um vínculo tão forte com as palavras que agora, no meu caso, acho que é um desperdício apenas escrever em momentos de tédio, pois são nesses momentos que só escrevo o mais do mesmo e, convenhamos, ninguém merece esse tipo de texto (a internet tá cheia...). A ideia agora é não me forçar a escrever e sim sentir vontade.

No amor só posso dizer que está lindo. Flores, muitas flores roxas. As sensações de insegurança já estão chegando a zero. Demorei quatro meses pra sentir a firmeza desse relacionamento, para me permitir sentir as borboletas no estômago, dizer um "eu gosto tanto de você aqui comigo" intenso no ouvido de quem eu gosto e, o melhor, sentir que isso é uma via de mão dupla. Não tenho certeza alguma sobre o amor e me recuso jogar as três palavrinhas mágicas ao vento, mas se não for amor, já não sei mais o que é. Você sente a profundidade da coisa quando seu namorado, até então questionador da existência de Deus, diz para você que rezou para que você ficasse bem e melhorasse e tivesse uma boa prova no dia seguinte. ♥

As outras coisas agora são mínimas. Minhas inseguranças sobre meu curso na faculdade estão sendo reavaliados: meu problema é a preguiça de estudar mesmo. E, falando em preguiça, estou propondo a mim mesma parar de postergar as obrigações. Sei que é difícil, principalmente para mim que não consigo manter o foco numa coisa só, mas é necessário. Meus lemas agora são: manter as coisas boas e, para conseguir isso, manter a ordem e o progresso. 


Ah, só uma coisa: a vida não está fácil, só está mais bonita e com sentido.


daqui

3 comentários:

  1. acho que eu preciso de um momento de "iluminação" igual a esse. não para fazer grandes coisas, mas, para dar um jeito na minha vida....

    ResponderExcluir
  2. Larie, fico feliz que esteja tudo bem depois do acidente. Que bom que você tem se "redescoberto" por aqui. Os blogs e as leituyras também foram componente essencial quando eu andei em crise comigo mesma. Depois que passei pelas turbulências vi o quanto são importantes para que eu valorize a calmaria. Até porque, como você mesmo descreve, a calma vem de dentro da gente mesmo.

    Beijoca!

    ResponderExcluir
  3. Fico feliz que as coisas estejam se ajeitando para você! Ainda não sei como é essa sensação de paz de que você fala, só espero um dia saber. E é como eu digo: ler é milagroso! Um bom livro é capaz de nos fazer todos os tipos de milagres, eu bem sei. Espero que tudo continue dando certo para você. E que sua vida continue bonita e com sentido.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...