terça-feira, 19 de junho de 2012

Um problema: procrastinação

Desde que atingi a adolescência, minha mãe vem reclamando da minha preguicite aguda. E ela tem toda a razão de fazer isso. Acho que nunca me senti tão adiadora de compromissos como agora e isso começou a me preocupar ontem. Sim, ontem, vejam como sou lenta para perceber as coisas.

Passei um mês curtindo a greve. Leia-se: fazendo nada que se preze, além de comparecer às aulas de um professor que não a aderiu. Pois bem, após nossa penúltima prova deste professor, ele disse para nos organizarmos em duplas para apresentar um seminário e nos deu duas semanas para fazer isso. Eu, como boa procrastinadora, adiei por uma semana e quando finalmente resolvi organizar o trabalho, eis que sou atropelada. Sim, segunda-feira da semana passada fui atropelada por um ônibus e tive que fazer uma cirurgia no dia seguinte, dia dos namorados. Daí passaram-se os dias de sofrimento à base dos remédios e meu namorado cobrou os slides, pois ia apresentar o trabalho sozinho. O que eu fiz? Novamente, como boa procrastinadora, adiei o feitio dos slides. Ontem, já esperado, enlouqueci. Chegou dez horas da noite e eu não havia terminado e já não aguentando mais a pressão, mandei-os para ele. E rolou umas tensões entre a gente porque falta de comprometimento é foda né gente? Ninguém merece. Enfim, passado esse episódio, hoje acordei pra lá de reflexiva em relação a postergar compromissos. 

Me dei conta que fiz trezentos mil planos para NÃO ADIAR OBRIGAÇÕES IMPORTANTES naquela listinha tosca de virada de ano e o que eu fiz? Adiei todas elas. Se era para tirar notas melhores nas primeira e segunda unidades, hoje perco o ar dando risada de tal ambição. Se era para hidratar o cabelo a cada quinze dias, estou agora um com um fuá do tamanho do mundo na cabeça. Se era para comer coisas mais saudáveis, tomo coca-cola quase todo dia. É uma sina. Sou boa demais em boicotar minhas ambições. Sou estupidamente desorganizada e estou agonizando com isso. As rédeas estão mais longe de minhas mãos do que eu pensava. Mas disso tudo, só queria saber uma coisa: quando foi que perdi o controle da minha vida? E o principal: como o retomo?

3 comentários:

  1. Eu sou um péssimo aluno. Na verdade, eu acho que eu devo ser um péssimo cidadão, um péssimo ser vivo, um péssimo tudo. E eu não sei se o meu problema é adiar as coisas, por que eu costumo ser tão "foda-se" que o pensamento é "fazer logo essa merda pra me livrar", mas eu também vivo perdendo o controle da vida. Daqui a pouco ele volta sozinho. E depois se perde sozinho de novo. Aproveita enquanto ele tá perdido e chuta o balde. Não, deixa pra lá, os meus "conselhos" são ainda piores que a sua preguiça. Mas sei lá né, eu senti que precisava dizer alguma coisa, mesmo que fosse a pior merda do mundo. Afinal, você disse que leu meu blog inteiro. Nem EU teria paciência pra ler o meu blog inteiro.
    E pelo menos você ainda achou interessante rs
    De qualquer forma, valeu, gata.

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem que vc não deixa de fazer post's haha
    Como assim, atropelada por um Ônibus O.O

    ResponderExcluir
  3. Putz, Larie, antes de mais nada queria comentar sobre o acidente, que você acabou falando lá no blog tbem... tá tudo bem? Você tá bem agora? Esse lance de amizade que não aparece quando o circo aperta é fogo mesmo. Dá uma decepcionada boa, mas te digo: a gente aprende.

    Enfim, quanto ao post de hoje, eu sou péssima em adiar as coisas pq sou ansiosíssima e tudo pra mim é pra ontem. Mas, aspecto importante, percebo que tudo que eu deixo pra depois é aquilo que eu não gosto, não quero e não aceito falar pra mim mesma. Sabe? Enfim...

    Beijoca

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...