terça-feira, 26 de junho de 2012

"Eu me sinto infinito"


O que vou dizer agora é uma frase óbvia para quem lê há tempos. É uma frase batida, porém cheia de significados, reflexiva. "Os livros nos ensinam coisas". E isso só fui descobrir com as últimas leituras que tive.

No post anterior, eu disse que comecei a encarar a leitura de verdade com quinze anos e que nunca li Harry Potter. Aposto que Harry Potter não marcou muitas pessoas por algo simples, foi algo grande mesmo, que atingia o coração das pessoas, principalmente as crianças. O mesmo aconteceu com o Pequeno Príncipe. Posso até dizer que essas foram duas grandes frustrações da minha vida.

Depois de terminar A menina que roubava livros - que fiz um grande negócio não abandonando o livro, pois o fim toca sua alma até o último fio -, comecei a ler As vantagens de ser invisível - Stephen Chbosky e pode-se dizer que estou aprendendo muito com meu adorável amigo Charlie. O Charlie é uma personagem simplesmente amável. É um menino triste e feliz ao mesmo tempo e nos ensina muito sobre a vida. Sobre as pequenas coisas. Sobre os presentes e as dores das amizades. E o livro em si está me ensinando que existem coisas grandiosas nas coisas pequenas. Estranho, né? Mas é isso. 

Ele também está me ensinando que a tristeza não é de todo uma coisa ruim e que existem acontecimentos muito maiores que as minhas pequenas reclamações. Porque é isso, eu andei triste por um tempo sem ter motivos plausíveis. Tenho amigos, uma família linda, um namorado maravilhoso, comida em casa e estou estudando sem dar despesa aos meus pais e mesmo assim ainda reclamo muito. O que tenho até vergonha de contar para vocês, mas tudo bem, eu sou gente e erro também.

O Charlie é muito sábio para um garoto tão novo. E muito inocente também, o que faz dele muito doce. E isso me leva a pensar que eu nunca quis conhecer tanto uma personagem como ele. Nunca tinha sentido esse "vazio" sobre querer conhecer alguém que não se pode conhecer. É triste, mas me sinto bem porque pela primeira vez na vida posso dizer que estive tão conectada com um livro que tenho até medo de terminá-lo. Meus olhos enchem de lágrimas só de pensar que minha "amizade' com ele vai terminar daqui a cem páginas e isso é assustador. 


Porém, no fiim das contas, apesar das tristezas dessa despedida, sei que lá na frente vou voltar para ler esse post e saber o por quê de eu ter me sentindo tão infinita lendo esse livro. E entendendo de verdade aquele outro ditado que diz que os livros mudam as pessoas. Porque o Charlie me mudou.

6 comentários:

  1. Hoje mesmo estive conversando com meu amigo e disse que tenho "depressão pós livro lido" é como se eu deixasse o personagem.
    Estou lendo "Feliz Ano velho" de Marcelo Rubens Paiva, é incrível!
    ´Pensei que fosse a unica Extraterrestre que nuna lei HP ou Pequeno Príncipe.

    ResponderExcluir
  2. Entendo como se sente. Também me apaguei a um personagem. o mais curioso é que depois a gente sente um vazio.aquela sensação de "e agora? o que vem depois" só que não vem...

    Su
    @blogabs | Blog Abs

    ResponderExcluir
  3. Acabo de marcar o livro como "vou ler", porque adorei o modo como você falou dele e o que esse livro te proporcionou, acho tão lindo quando isso acontece, esse poder que estórias alheias podem ter sobre nós, o quanto um livro pode nos ensinar, nos mudar.
    E eu também sou assim, reclamo demais por besteira, depois me toco que tem gente com problemas de verdade, me xingo, e depois tô reclamando novamente. E é horrível quando um livro é tão bom que a gente tem vontade de devorá-lo logo e tem pena ao mesmo tempo, por ele sair tão rápido da nossa rotina. Beijo, Larie. :*

    ResponderExcluir
  4. Ah, tá gostando de Doidas e Santas? Também tenho muita vontade de o ler. :3

    ResponderExcluir
  5. Minha prima falou sobre esse livro, disse que está com muita vontade lê-lo. Ainda não parei pra ler nenhuma resenha ou sinopse dele, mas o título me fez ficar interessada rs é, sou do tipo que ler livros pelo título e pela capa.

    Quanto as reclamações, quem não reclama das coisas a toa? Ninguém nunca está contente com o que tem, é a lei do capitalismo. Sempre queremos mais, e quando conseguimos queremos mais ainda.

    - Achei seu layout uma fofura. Me lembrou muito o primeiro lay do Tipo Mari. Gostei de verdade.

    - Passo minhas férias de janeiro em Tibau também. Será que não já nos esbarramos por lá? kkk

    ResponderExcluir
  6. Gente é incrível, "As Vantagens de Ser Invisível", acho que você definiu o livro otimamente bem, e falou tudo que eu estou sentindo lendo ele.
    Até agora eu não entendia o que é "se sentir infinito", eu pesquisei o que é isso até vê sua postagem, e agora sei o que é "se sentir infinito", e me sinto e também sei que eu nunca descobriria isso na teoria, é a mesma coisa de pesquisar o que é amar.
    PS: Como é maravilhoso se sentir infinitooooooooo!

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...