terça-feira, 29 de maio de 2012

O melhor de mim

"Recebi uma cartinha de uma menina no colégio". Meu irmão mal havia entrado em casa quando falou essa frase. Com o sorriso mais lindo e sincero do mundo, ele veio logo me contar a novidade do dia. Achei graça, chamei-o de garanhão e deixei a bola dele mais cheia do que já estava, sentia-se o guri mais sortudo do mundo. Foi engraçadinho porque até um dia desses ele achava que as meninas deviam ser "destruídas" e que eram uma "força do mal" e agora, como uma criança crescida de 9 anos que ele é - e faz questão de empinar o nariz ao dizer isso -, resolveu dar a vez às mocinhas e parece que está curtindo a ideia. O pirralho tá crescendo.

Sou uma irmã super ausente, não nego. Não só porque meu irmão estuda de manhã e eu só apareço em casa à noite, por causa da faculdade, mas porque me isolo muito da minha casa. Veja bem, a casa é espaçosa, dá pra curtir uma privacidade massa por aqui, mas isso tá me chateando um bocado porque daqui uns 4-5 anos eu me formo e vou ter que sair da cidade de qualquer jeito, área de atuação pra mim, por aqui, só na Petrobrás e daí vou ter que deixar minha família para trás. Isso dói. Meu comodismo, aliás, nunca me custou tanto. Até alguns amigos já desistiram de mim, sou a morta-viva do meio em que vivo.

Então, nessa vibe de querer mudar tudo na minha vida, estabeleci algumas metas para o mês de junho em relação aos amigos, aos estudos e ao irmão (toda quinta-feira vai ser o dia irmãzona-irmãozinho) só pra ver se trago mais alegria pra minha vida. Acostumei a ficar sentada o dia inteiro, seja na internet (70% do tempo ou mais, uma lástima), seja estudando e andei sentindo que está na hora de reduzir essa internet aí que não anda fazendo bem em nada na minha vida, só para encobrir os dias de solidão (mas isso um bom livro também pode substituir). Além disso, não ando colecionando boas memórias, pois não ando vivendo o suficiente para "fazer" uma memória. Minha sorte está no amor e "só", mas isso não é suficiente, quero mais!

Que junho venha aí e que venha a vida nova também, estou ansiosa pelas mudanças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...